Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Irã ameaçou famílias da seleção nacional de futebol, segundo fonte de segurança

    Jogadores da seleção iraniana se recusaram a cantar o hino nacional em partida de estreia na Copa do Mundo

    Jogadores da seleção do Irã durante a execução do hino nacional do país antes da partida contra País de Gales pela Copa do Mundo do Catar25/11/2022
    Jogadores da seleção do Irã durante a execução do hino nacional do país antes da partida contra País de Gales pela Copa do Mundo do Catar25/11/2022 REUTERS/Amanda Perobelli

    Sam Killeyda CNN

    As famílias da seleção iraniana de futebol da Copa do Mundo foram ameaçadas de prisão e tortura se os jogadores não se “comportarem” antes da partida contra os EUA na terça-feira (29), disse uma fonte envolvida na segurança dos jogos.

    Após a recusa dos jogadores iranianos em cantar o hino nacional do país na partida de abertura contra a Inglaterra em 21 de novembro, a fonte disse que os jogadores foram convocados para uma reunião com membros do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC).

    A fonte disse que eles foram informados de que suas famílias enfrentariam “violência e tortura” se não cantassem o hino nacional ou se se juntassem a qualquer protesto político contra o regime de Teerã.

    Os jogadores cantaram o hino antes do segundo jogo contra o País de Gales, na última sexta-feira, quando o Irã venceu por 2 a 0.

    A fonte, que está monitorando de perto as agências de segurança do Irã que operam no Catar durante o período da Copa do Mundo, disse que dezenas de oficiais do IRGC foram convocados para monitorar os jogadores iranianos que não podem se misturar fora do time ou se encontrar com estrangeiros.

    “Há um grande número de oficiais de segurança iranianos no Catar coletando informações e monitorando os jogadores”, disse a fonte.

    Carlos Queiroz, o técnico português da seleção iraniana, se reuniu separadamente com oficiais do IRGC após suas ameaças aos jogadores iranianos e suas famílias, disse a fonte.

    A fonte não disse qual teria sido o conteúdo dessa suposta conversa. Queiroz disse que os jogadores iranianos podem protestar na Copa do Mundo, mas apenas dentro dos regulamentos da Fifa.

    Os jogadores, disse a fonte, receberam a promessa de “presentes e carros” antes do jogo contra a Inglaterra, mas o regime, alegou a fonte, passou a ameaçar os jogadores e suas famílias após a humilhação da recusa do time em cantar o hino nacional.

    “No último jogo contra o País de Gales, o regime enviou centenas desses torcedores para criar uma falsa sensação de apoio e favor entre os torcedores. Para o próximo jogo contra os EUA, o regime planeja aumentar significativamente o número de atores para milhares”, disse a fonte.

    Irã e Estados Unidos se enfrentam na terça-feira em uma partida crucial do Grupo B.

    O Irã está aparecendo nesta Copa do Mundo sob a sombra da turbulência doméstica. O chefe do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Volker Turk, disse que o país está em uma “crise de direitos humanos de pleno direito”, enquanto as autoridades reprimem os dissidentes anti-regime.

    Os protestos, referidos por especialistas como os mais significativos desde o estabelecimento do regime clerical após a Revolução Iraniana de 1979, abalaram o Irã nos últimos meses e ameaçaram o regime do país, que está no poder há mais de 40 anos.

    O movimento foi desencadeado pela morte de Mahsa Amini, uma mulher de 22 anos que morreu após ser detida pela polícia de moralidade do Irã, supostamente por não cumprir o código de vestimenta conservador do país. As forças de segurança iranianas desencadearam uma resposta violenta.

    No domingo, a mídia estatal do Irã pediu que os EUA fossem expulsos da Copa do Mundo de 2022 depois que a Federação de Futebol dos Estados Unidos mudou a bandeira do Irã em suas plataformas de mídia social para mostrar apoio aos manifestantes no Irã.

    A federação exibiu temporariamente a bandeira nacional do Irã em suas contas oficiais do Twitter, Instagram e Facebook sem o emblema da República Islâmica. Um gráfico agora excluído da classificação do Grupo B publicado no sábado exibia a bandeira iraniana apenas com as cores verde, branco e vermelho.

    O US Soccer disse à CNN no domingo que queria mudar a bandeira oficial por 24 horas para mostrar “apoio às mulheres no Irã que lutam pelos direitos humanos básicos”, mas sempre planejou voltar à bandeira original.

    A mudança “foi um gráfico único”, disse o US Soccer à CNN. “Temos a bandeira principal em nosso site e em outros lugares.” Atualmente, o emblema está de volta à bandeira nos canais de mídia social do US Soccer.

    Um porta-voz do Departamento de Estado disse à CNN que não coordenou com o US Soccer na decisão do órgão esportivo de mudar a bandeira do Irã em suas contas de mídia social para mostrar apoio aos manifestantes no Irã.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original