Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Três em cada cinco torcedores acham que organizadas atrapalham o futebol brasileiro

    Percepção negativa piora quanto mais velho é o entrevistado, aponta "O Maior Raio-X do Torcedor"

    Percepção dos torcedores brasileiros sobre organizadas
    Percepção dos torcedores brasileiros sobre organizadas Arte da CNN

    Alexandre Simõesda Itatiaia

    Para quase três em cada cinco torcedores brasileiros as organizadas mais atrapalham do que ajudam o futebol. E essa rejeição com certeza tem como ponto principal episódios como o que foi registrado nesta quarta-feira (12), em Belém, quando torcedores do Corinthians ficaram feridos após um ataque com explosivos.

    No geral, 58% das pessoas que acompanham o futebol acham que as torcidas organizadas mais atrapalham. Os favoráveis a elas são 38% com 4% não sabendo ou não respondendo.

    O Maior Raio-X do Torcedor mostra ainda que essa percepção negativa piora quanto mais velho é o entrevistado.

    Percepção dos torcedores brasileiros sobre organizadas / Arte da CNN

    No grupo que tem entre 16 e 30 anos, as são bem avaliadas, pois 49% consideram que elas mais ajudam, com 45% achando que mais atrapalham e 5% não respondendo.

    No outro extremo, quando se recorre ao torcedor com mais de 51 anos, 68% afirmam que elas mais atrapalham, com 27% achando que mais ajudam e 6% não respondendo.

    Na faixa etária intermediária, entre 31 e 50 anos, os números são próximos, pois 63% consideram que as torcidas organizadas mais atrapalham e 34% que mais ajudam, com 3% não respondendo.

    As organizadas não são mais consenso entre os torcedores. Os casos de violência, de briga e ofensas que vimos na história recente do futebol devem ter contribuído para isso. Espero que esse resultado ajude aos líderes de torcida a refletirem sobre o seu papel, já que dentro dos estádios e na área social elas tem grandes contribuições para a sociedade.

    Felipe Nunes, diretor da Quaest Consultoria e Pesquisa

    Metodologia

    A Pesquisa CNN/Itatiaia/Quaest fez 6.507 entrevistas com torcedores de 16 anos ou mais em 325 cidades brasileiras, no período entre 29 de março e 2 de abril de 2023. A margem de erro máxima é de 1,4 ponto percentual para mais ou para menos. O nível de confiabilidade é de 95%.