Artefatos de mais de 3 mil anos, incluindo altar de sacrifício, são descobertos na China

Expedição foi feita no sítio arqueológico de Sanxingdui, perto de Chengdu, sudoeste do país

Artefatos encontrados na China
Artefatos encontrados na China Shen Bohan/Xinhua/Sipa EUA

Kathleen Magramoda CNN

Ouvir notícia

Uma caixa em forma de tartaruga e um altar de sacrifício estão entre um tesouro de 13 mil relíquias de mais de 3.000 anos descobertas por arqueólogos no sudoeste da China.

Os artefatos — muitos feitos de ouro, bronze e jade — foram desenterrados em seis poços de sacrifício no sítio arqueológico de Sanxingdui, perto de Chengdu, informou a mídia estatal chinesa na segunda-feira (13).

Historiadores sabem relativamente pouco sobre a cultura Sanxingdui, que não deixou registros escritos ou restos humanos, embora muitos acreditem que seja parte do antigo reino de Shu.

Espera-se que as últimas descobertas abram caminhos para descobrir mais sobre o reino, que governou na bacia ocidental de Sichuan ao longo da corrente superior do rio Yangtze até ser conquistado em 316 a.C.

Uma equipe conjunta de arqueólogos do Instituto de Pesquisa de Relíquias Culturais e Arqueologia da Província de Sichuan, Universidade de Pequim, Universidade de Sichuan e outras instituições de pesquisa estão escavando os seis poços no local desde 2020.

Na expedição mais recente, os arqueólogos encontraram 3.155 relíquias relativamente intactas, incluindo mais de 2.000 peças e estátuas de bronze, informou a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

Novas descobertas do passado

Os pesquisadores descreveram uma caixa em forma de tartaruga feita de bronze e jade como uma de suas descobertas mais intrigantes, dizendo que foi a primeira vez que descobriram tal item.

“Não seria exagero dizer que a embarcação é única, dada a sua forma distinta, artesanato fino e design engenhoso. ” Li Haichao, professor da Universidade de Sichuan, disse à Xinhua.

Um altar de bronze de quase um metro também foi encontrado em um dos poços, onde acredita-se que as pessoas da civilização Shu tenham feito oferendas ao céu, à terra e seus ancestrais.

Traços ao redor dos poços de bambu, junco, soja, gado e javalis sugerem que todos foram oferecidos como sacrifícios.

Intercâmbios culturais antigos

Ran Honglin, diretor do Instituto de Pesquisa de Relíquias Culturais e Arqueologia de Sanxingdui, disse à Xinhua que a diversidade de itens no local mostra intercâmbios culturais entre civilizações antigas na China.

Ele observou que uma das esculturas com a cabeça de um humano e o corpo de uma cobra eram características da antiga civilização Shu, enquanto os vasos cerimoniais conhecidos como “zun” do local eram culturalmente emblemáticos de Zhongyuan, uma região de planices conhecida como centro da China.

Mais relíquias culturais desenterradas em Sanxingdui também foram vistas em outras localidades da China, evidenciando o intercâmbio inicial e a integração da civilização chinesa”, disse Ran.

O sítio arqueológico de 7,4 quilômetros quadrados rendeu milhares de artefatos antigos desde que um fazendeiro local o encontrou na década de 1920. Tesouros como uma máscara dourada pesando cerca de 100 gramas, relíquias de marfim e uma faca de jade estavam entre os artefatos descobertos no ano passado.

Embora ainda não seja reconhecido como Patrimônio Mundial da Unesco, Sanxingdui está na “lista provisória” da organização para consideração.

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN