‘Eu obedeço ao tempo’: A artista que passou três décadas em uma única pintura

Começada em Paris, a pintura "Les temps de camélias" foi terminada na Ilha Jeju, na Coreia do Sul

A artista sul-coreana Myonghi Kang começou a trabalhar em sua pintura "Le temps des cammelia" no final da década de 1980
A artista sul-coreana Myonghi Kang começou a trabalhar em sua pintura "Le temps des cammelia" no final da década de 1980 Gary Yeh/Villepin

Oscar Hollandda CNN

Hong Kong

Ouvir notícia

Foi no final da década de 1980 quando a artista sul-coreana Myonghi Kang começou a trabalhar em sua pintura “Le temps des camélias” (“O Tempo das Camélias”). Morando no 19º arrondissement de Paris na época, ela revisitava periodicamente a tela, então vertical, para adicionar traços de cor ou formas florais.

“Eu voltava à pintura com todas essas perguntas em minha mente e memórias de viagens”, ela lembrou, por meio de um tradutor, em uma entrevista por telefone.

Mas a pintura nunca pareceu concluída. Kang acabou abandonando sua criação, e foi somente quando ela a levou para a Ilha Jeju, da Coreia do Sul, em 2007, que ela se sentiu inspirada a revisitar a obra de arte – e mudar sua orientação para a de uma paisagem horizontal convencional.

“Foi só quando trouxe a pintura para Jeju na primavera que tive a coragem, depois de 10 anos, de trabalhar nela novamente”, disse ela. “Eu tinha muitas camélias em meu estúdio, então comecei a trazer todos os elementos que via ao meu redor.”

Passaria mais uma década até que a pintura etérea, agora em exibição na galeria Villepin de Hong Kong, estivesse completa. Como tal, a obra retrata não apenas as flores vibrantes aludidas no título, mas a própria passagem do tempo.

“Le temps des camélias” de Myonghi Kang foi terminada em 2018 / Villepin

“Eu realmente não posso explicar”, disse Kang. “Eu simplesmente senti que essa pintura tinha que ser feita assim. Eu confiei no momento – em saber o momento certo para eu pintar as diferentes partes até que eu estivesse acabado.”

“Não ousaria dizer que pinto o tempo – isso seria muito arrogante – mas o tempo está no que eu pinto”, acrescentou ela mais tarde. “Eu me deixo ser as mãos do tempo. Obedeço ao tempo, mas não tento manipulá-lo.”

Essa abordagem impulsiva é típica de Kang, cuja arte radiante e silenciosa revela sua relação complexa com a natureza. Agora em seus 70 anos, ela pode passar anos em uma única peça, suas pinceladas frequentemente suaves revelando um processo que ela descreveu como “muito, muito intenso”.

“La maison de opticien” de Myonghi Kang / Villepin

“Eu só olho para as pinturas e sinto que não estão acabadas. Às vezes não consigo nem dormir”, explicou ela. “Elas estão sempre se movendo e progredindo, e às vezes eu nunca tenho a sensação de que eles terminaram. Às vezes, eu gostaria de tomar uma bebida e esquecer isso, mas não é possível. Eu sempre preciso tentar resolver as pequenas coisas que vejo todos os dias na minha frente.”

De repente, no entanto, a compulsão de assinar – e assim terminar – uma pintura a atinge “como um raio”, disse ela.

“Não é algo que eu planejo ou saiba racionalmente. É espontâneo.”

‘Natureza é tudo’

Embora as pinturas absorventes de Kang pareçam abstratas no início, muitas vezes são baseadas no mundo ao seu redor. Ssuas criações se assemelhem a paisagens, mas nunca retratam uma única cena específica, e sim um amálgama de visões, memórias e sensações.

“Cada momento, desde o momento em que acordo até o momento em que começo a trabalhar, faz parte da pintura”, disse Kang, que também é conhecido por escrever poesia. “E as memórias – talvez de 10 anos antes – de olhar para camélias, por exemplo, também serão integradas.

“Não existe uma forma figurativa de expressar o que pinto. É o acúmulo de observar – tentar capturar o céu, por exemplo – e realmente capturar o ‘todo’, ao invés de uma camélia específica ou uma determinada rocha.”

Situada em três andares em Hong Kong, a última mostra de Kang reúne trabalhos da última década, incluindo o já mencionado “Le temps des camélias”. Passar um tempo com as telas ajuda a trazer a ideia nebulosa do artista – seja a flor de laranjeira, a casa de um oculista vizinho ou nuvens girando em um céu azul claro – em um foco mais nítido.

O galerista por trás da mostra, Arthur de Villepin, acredita que a beleza da obra está nos pequenos “detalhes” observados em sua empresa.

Trabalho de Kang em exibição na galeria Villepin em Hong Kong / Villepin

“Você vê as diferentes camadas e vê que, às vezes, as pinceladas são vívidas e bastante rápidas e representam uma certa parte da personalidade dela”, disse ele por telefone, do sul da França. “Ou às vezes as cores ficam muito brilhantes. Depois, em outros momentos, as cores vão sumindo, e aquela capacidade de colocar vidas diferentes em momentos diferentes…isso é o que eu achei incrível.”

Completa com sons naturais tocando em alto-falantes ocultos, a exposição serve para transportar os visitantes dos arredores movimentados do centro de Hong Kong para a bucólica Ilha de Jeju, onde Kang – que vive e trabalha entre a Coreia do Sul e a França – ainda pinta.

“Em nossas mentes, a natureza é grama, árvores e flores”, disse Kang, quando questionada sobre sua relação com o ambiente. “Mas a natureza é tudo. A natureza é gente, é uma cidade, é história…A natureza é uma ponte que permite o diálogo entre todas as coisas.”

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Tópicos

Mais Recentes da CNN