Expo Dubai: Pavilhão ecológico da Itália é feito com cascas de laranja e café

Cordas náuticas feitas de plástico reciclado e cascos de barco que devem ser usados posteriormente também fazem parte do projeto inspirado no conceito da efemeridade da exposição

Pavilhão da Itália na Expo Dubai propõe sustentabilidade e é feito com cascas de laranja e borra de café
Pavilhão da Itália na Expo Dubai propõe sustentabilidade e é feito com cascas de laranja e borra de café Michele Nastasi

Jacopo Priscoda CNN

Ouvir notícia

Com um teto feito com três cascos de barco em tamanho real em condições de navegar e uma fachada de cordas náuticas feitas de plástico reciclado, o pavilhão da Itália na Expo Dubai 2020 adota o conceito de design reutilizável.

Favorecido por uma excelente localização dentro da Expo – entre as áreas temáticas “Oportunidade” e “Sustentabilidade” e com vistas frontais e laterais ininterruptas –, o pavilhão atraiu um quinto do total de visitantes do evento nas primeiras semanas, tornando-o um dos mais bem sucedidos.

“A maior inspiração para o nosso design é a economia circular”, disse o arquiteto Ítalo Rota, referindo-se à ideia de reciclar, reparar e reutilizar os resíduos, ao invés de simplesmente descartá-los.

Rota é um dos designers do pavilhão e trabalhou extensivamente em Paris, onde foi curador da iluminação da Catedral de Notre-Dame e das margens do Rio Sena. “Os próprios cabos náuticos são um exemplo (da economia circular): foram produzidos a partir da reciclagem de 2 milhões de garrafas plásticas e, quando somados, chegam a 70 quilômetros. Já estão previstos para mais reciclagem após a Expo. ”

Reduzir a quantidade de resíduos ao final do evento também foi uma prioridade para o co-designer Carlo Ratti, arquiteto e engenheiro que leciona no Massachusetts Institute of Technology (MIT).

Uma coisa que não gosto em eventos temporários, como várias exposições internacionais ou os Jogos Olímpicos, é que uma grande quantidade de resíduos vai para aterros sanitários depois de apenas algumas semanas ou meses. É por isso que queríamos que o Pavilhão Italiano abordar a natureza temporária da Expo Dubai 2020. A maioria dos elementos arquitetônicos são reciclados ou recicláveis, reutilizados ou reutilizáveis.

Carlos Ratti, co-designer do pavilhão

Tanto Rota como Ratti têm experiência anterior com Exposições Mundiais, tendo trabalhado em projetos para a última edição, realizada em Milão em 2015. A exposição atual, cuja inauguração foi adiada no ano passado devido à pandemia e, portanto, mantém o apelido de “2020”, permanecerá aberto em Dubai até o final de março de 2022.

O pavilhão da Itália apresenta uma fachada de cordas náuticas, feita com 2 milhões de garrafas de plástico recicladas / Michele Nastasi

O pavilhão incorpora design reutilizável em sua estrutura, por meio do uso de elementos orgânicos como casca de laranja e borra de café nos materiais de construção, e possui um sistema natural de mitigação do clima que usa sombreamento, nebulização e ventilação para substituir o ar condicionado.

Não existem paredes convencionais, sendo que as cordas náuticas delimitam o espaço expositivo, funcionando também como uma superfície multimídia por meio do uso de leds que se iluminam para mostrar diferentes cores e imagens.

Depois de entrar, os visitantes se encontram em uma passarela de 11 metros acima do nível do solo e logo abaixo do primeiro casco.

Entre as atrações estão o “Belvedere”, uma estrutura em cúpula coberta com ervas selvagens do Mediterrâneo e destinada a evocar os jardins da Renascença, e uma réplica impressa em 3D da famosa estátua de Davi, de Michelangelo, feita a partir de digitalizações detalhadas do original do século 16 em Florença.

Uma réplica do Davi de Michelangelo feita em impressão 3D está no pavilhão / GIUSEPPE CACACE/AFP/AFP via Getty Images

A figura de 5 metros se estende por dois andares e sua metade inferior está envolta em uma rotunda, limitando de certa forma a visão dela em favor de sua cabeça e parte superior do tronco. “Achamos que é uma ideia estimulante para os visitantes olharem para o Davi não apenas de baixo para cima, como acontece com o original em Florença, mas diretamente em seus olhos”, diz Ratti.

Com o espírito de experimentar diferentes maneiras de reunir os mundos natural e artificial, a estrutura repousa sobre uma duna de 5 metros de altura, feita de areia de origem local. Os caminhos e caminhos internos são adornados com 160 espécies botânicas, um projeto desenvolvido em conjunto com botânicos do Conselho Nacional de Pesquisa da Itália.

Os cascos dos barcos que formam o teto foram construídos pela Fincantieri, um dos maiores construtores navais da Europa, e existe a possibilidade de que eventualmente sejam transformados em barcos em funcionamento, diz Ratti.

No entanto, há conversas em andamento sobre a transformação do pavilhão em um centro de design quando a Expo Mundial terminar. “Assim, os cascos dos barcos podem se tornar vítimas de seu próprio sucesso”, diz Ratti, “e pode levar mais tempo antes de partirem.”

Texto traduzido. Leia o original em inglês.

Mais Recentes da CNN