Quadro de Van Gogh saqueado por nazistas pode ser vendido por até R$ 165 milhões

Intitulado "Meules de blé", de 1888, quadro foi saqueado de colecionadora francesa durante a eclosão da Segunda Guerra Mundial

Megan C. Hillsda CNN

Ouvir notícia

Mais de um século desde que foi vista pela última vez em público, uma pintura vibrante de Vincent van Gogh, que já foi apreendida pelos nazistas, está sendo leiloada.

A aquarela de uma cena de colheita, intitulada “Meules de blé” (“Pilhas de trigo”), retrata mulheres trabalhando nos campos em Arles, na França, e deve ser vendida por até R$ 165 milhões.

Van Gogh pintou a cena em 1888, depois de se retirar para o interior da França em meio a um período de saúde debilitada. Enquanto em Arles, ele se apaixonou pelo estilo de vida pastoral ao seu redor, e “Meules de blé” foi uma das várias obras com o tema da colheita que ele criou durante esse período.

A Christie’s, casa de leilões por trás da venda, disse em seu catálogo que a aquarela demonstra a “obsessão de Van Gogh com o japonismo”, que o fez adotar um estilo mais gráfico semelhante às xilogravuras japonesas.

Apesar da cena tranquila retratada, a pintura tem uma história conturbada. Pertenceu inicialmente ao irmão de Van Gogh, Theo, e mais tarde mudou de mãos antes de ser comprado por Max Meirowsky, um industrial judeu, em 1913.

Enfrentando a perseguição antissemita na Alemanha, Meirowsky foi forçado a fugir e confiou a pintura a um alemão concessionário de arte em Paris, de acordo com a casa de leilões Christie’s.

A aquarela foi para a posse de Miriam Caroline Alexandrine de Rothschild, que fugiu para a Suíça após a eclosão da Segunda Guerra Mundial. Durante a ocupação da França, os nazistas saquearam a coleção de De Rothschild, levando “Meules de blé”, entre outras peças.

Em 1941, a pintura foi transferida para o Jeu de Paume, um museu usado pelos nazistas para armazenar e exibir obras de arte consideradas “degeneradas” ou confiscadas de outra forma. De acordo com Christie’s, “Meules de blé” foi então levado para o castelo Schloss Kogl na Áustria, onde entrou em uma coleção privada sem nome.

Enquanto De Rothschild tentava recuperar suas pinturas perdidas após a queda do regime nazista, a obra de Van Gogh escapou de seu alcance. Em 1978, foi adquirida pela galeria Wildenstein & Co. em Nova York, onde foi comprada pelo falecido colecionador de arte Edward Lochridge Cox, um magnata do petróleo texano com uma inclinação para o impressionismo.

A aquarela é parte de uma venda maior da coleção da Christie’s, que inclui pinturas de outros artistas famosos, incluindo Paul Cézanne e Claude Monet.

Após a morte de Cox, uma disputa de propriedade surgiu entre a propriedade de Cox e os herdeiros de Meirowsky e De Rothschild. A Christie’s observa em seu catálogo que as partes chegaram a um “acordo”, mas se recusou a comentar mais sobre o assunto.

A pintura foi vista pela última vez em público em 1905, quando foi exibida como parte de uma retrospectiva de Van Gogh no Museu Stedelijk em Amsterdã.

Obras de arte saqueadas pelos nazistas têm estado no centro de várias disputas de propriedade nos últimos anos. Entre eles estão o “inverno” impressionista de Gari Melchers, que foi confiscado pelos nazistas de uma família judia e só recentemente devolvido a seus descendentes. E também um retrato de Camille Pissarro, no centro de um desentendimento de longa data entre a Universidade de Oklahoma e o herdeiro de um família judia francesa.

(Texto traduzido, leia original em inglês aqui)

Mais Recentes da CNN