Mesmo com pandemia de coronavírus, democratas mantêm primárias em 3 estados


Da CNN Brasil, em São Paulo
17 de março de 2020 às 10:08 | Atualizado 17 de março de 2020 às 10:09
Eleitora democrata vota em primária do partido

Partido democrata manteve primárias mesmo com avanço do coronavírus nos EUA

Foto: Lucas Jackson - 10.mar.2020/ Reuters

A pandemia do novo coronavírus pode alterar o calendário político dos Estados Unidos, já que os eleitores democratas deverão levar em consideração os riscos à saúde se decidirem sair de casa para votar nas primárias do partido.

Ainda assim, em circunstâncias sem precedentes, três estados – Arizona, Flórida e Illinois – realizarão primárias nesta terça-feira (17). Combinados, eles representam 441 delegados ou 11% de todos os representantes do partido.

Um quarto estado, Ohio, também votaria nesta terça, mas o governador republicano Mike DeWine, depois que um juiz rejeitou seu pedido para adiar a eleição primária até junho, anunciou segunda-feira à noite que a diretora de saúde de Ohio, Amy Acton, ordenou o fechamento das urnas por emergência de saúde pública.

As pesquisas e os resultados das primárias de 2016 sugerem que o ex-vice-presidente Joe Biden é o grande favorito contra o senador Bernie Sanders nas disputas desta terça. Se Biden tiver resultados incontestáveis nas três primárias, poderá abrir uma vantagem quase insuperável em relação ao adversário – o que o deixaria a um passo de ser o indicado do partido para disputar a presidência contra Donald Trump.

No entanto, a crise adicionou um certo grau de imprevisibilidade à disputa e as campanhas de ambos os candidatos não têm certeza do que esperar.

Caos em Ohio

As primárias de Ohio pareciam suspensas quando DeWine disse na segunda-feira que as novas diretrizes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, em inglês) limitavam reuniões de 50 ou mais pessoas, o que significava que o estado não poderia realizar com segurança suas primárias.

Mas tudo mudou quando um juiz rejeitou a tentativa de DeWine de adiar a primária até junho. Então, na noite de segunda-feira, o cenário se alterou novamente, pois a diretora estadual de saúde de DeWine, Amy Acton, emitiu uma ordem especial para fechar os centros de votação, declarando uma emergência de saúde pública.

“Neste período em que enfrentamos uma crise de saúde pública sem precedentes levar adiante uma votação amanhã [terça-feira] obrigaria os funcionários eleitorais e os eleitores a se exporem a um risco para a saúde inaceitável de contrair o vírus”, disse DeWine em comunicado divulgado na noite de segunda.

O secretário de Estado de Ohio, Frank LaRose, que endossou a decisão de DeWine, disse à CNN na noite de segunda-feira que pretende mudar oficialmente a primária para 2 de junho, ampliando também o prazo para os eleitores do estado votarem pelos correios.

Eleitor usando máscara

Eleitor se registra para votar nas primárias americanas de Cincinnati, Ohio, usando máscara

Foto: Bryan Woolston - 13.mar.2020/ Reuters

Os eleitores irão aos centros de votação?

A Casa Branca aconselhou todos os cidadãos norte-americanos a evitarem grupos com mais de 10 pessoas, o que pode ser difícil nos centros de votação. Alguns estados fecharam locais de votação, especialmente os localizados em lares de idosos, deixando aos eleitores a tarefa de escolher um novo ponto para depositar seu voto.

Isso pode resultar em uma menor participação eleitoral do que foi visto até agora no resto do país. Se um grupo demográfico – como os idosos, que apoiam majoritariamente Biden, mas são um dos grupos de risco para o novo coronavírus – for afetado de forma significativa, isso pode impactar os resultados em estados-chave.

Arizona e Flórida devem ser menos afetados do que Illinois. Isso porque a grande maioria dos votos nesses dois estados são feitos de forma antecipada pelo correio.

El Illinois, o governador democrata JB Pritzker tomou uma decisão diferente da revelada por DeWine, em Ohio. Pritzker afirmou para jornalistas na segunda-feira (16) que cada local de votação terá higienizadores de mãos e que as máquinas de votação serão limpas toda vez que alguém as utilizar.

“Me sinto bem com a decisão de as eleições continuarem amanhã”, disse o governador.

Como ficará o apoio a Biden?

Nas últimas duas semanas, Biden demonstrou um desempenho imbatível, com apoio entre afro-americanos, eleitores suburbanos e mulheres brancas da classe trabalhadora. Ele ainda tenta superar o senador por Vermont em relação aos eleitores homens sem educação universitária.

A vantagem de Sanders com os latinos pode ser abafada na Flórida, onde seus comentários anteriores elogiando o regime cubano de Fidel Castro por seus esforços de alfabetização podem ser prejudiciais.Com um grande número de eleitores idosos, a maioria dos eleitores idosos pode dar a Biden uma vantagem clara.

O Arizona pode ser a melhor chance de Sanders vencer nesta terça-feira, mas até nesse estado as chances são remotas, de acordo com pesquisas recentes.

Quais sinais Sanders enviará?

Nos três estados que realizam primárias nesta terça Hillary Clinton derrotou Sanders em 2016. Na Flórida, a ex-Secretária de Estado teve quase o dobro dos votos do senador por Vermont, com uma vitória de 64% sobre 33%.

Se Sanders perder todos os três estados, a forma como ele responder pode dizer muito sobre seu desempenho no restante das primárias. O senador reduzirá seus ataques a Biden e ouvirá as bases sobre uma possível saída da disputa? Ou ele continuará com a mesma agressividade que demonstrou no debate de domingo à noite? (Com informações da CNN)