Arábia Saudita declara cessar-fogo com Iêmen por causa pandemia de coronavírus

Medida surgiu após um pedido do secretário-geral da ONU por uma pausa nas hostilidades no país para conter a propagação da COVID-19

Da CNN
09 de abril de 2020 às 09:20
Ataque aéreo contra rebeldes houthis na cidade de Sana
Foto: Reprodução - 30.mar.2020/ Reuters

A coalizão liderada pela Arábia Saudita que combate os rebeldes houthis no Iêmen declarou um cessar-fogo de duas semanas em uma tentativa de conter a disseminação do novo coronavírus no país devastado pela guerra, segundo a estatal Agência de Imprensa Saudita (SPA, em inglês).

O cessar-fogo do conflito que já dura cinco anos começa nesta quinta-feira (9), informou o porta-voz da coalizão, Turki al-Malki. De acordo com a SPA, a medida surgiu após um pedido do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, por uma pausa nas hostilidades no país para conter a propagação da COVID-19.

A doença já infectou mais 1,5 milhão de pessoas e matou cerca de 88 mil no mundo todo, segundo a Universidade de Medicina Johns Hopkins.

Malik também afirmou que o cessar-fogo temporário ajudará a abrir caminho para um diálogo entre o governo iemenita apoiado pelos sauditas e os rebeldes houthis, que contam com o apoio do Irã e estão situados na capital Sanaa.

Leia também: 

Com baixa demanda, Arábia Saudita tenta encontrar compradores para seu petróleo

Em resposta a Trump, cientistas dizem que coronavírus não 'vai embora' no calor

A pausa nas hostilidades pode criar um ambiente para a ONU “realizar uma reunião entre o governo legítimo e os houthis, e uma equipe militar da coalizão [liderada pela Arábia Saudita] sob a supervisão do enviado das Nações Unidas para discutir as propostas de passos e mecanismos para implementar um cessar-fogo permanente no Iêmen”, disse Malki.

A ONU recebeu positivamente o anúncio de Riad. “Estou grato ao Reino da Arábia Saudita e à Coalizão Árabe pelo reconhecimento e ação neste momento crítico para o Iêmen”, destacou o enviado especial da Secretaria-Geral das Nações Unidas para o Iêmen, Martin Griffiths, em um comunicado nessa quarta-feira (8). 

“As duas partes precisam agora usar essa oportunidade e cessar imediatamente todas as hostilidades com a máxima urgência, e fazer progressos em direção à paz abrangente e sustentável”, ressaltou ele.

Acordo pelo fim do conflito

Um porta-voz dos rebeldes houthis afirmou que o grupo estava trabalhando em um plano para encerrar o conflito.

“Com base no pedido do secretário-geral da ONU para um cessar-fogo no Iêmen, apresentamos uma visão nacional abrangente às Nações Unidas que inclui um fim à guerra e um fim ao bloqueio”, disse no Twitter Mohammed Abdel Salam. “Isso inclui a segurança do Iêmen e sua unidade e independência, e estabelece um diálogo político que visa uma nova transição”, acrescentou.

Uma fonte com conhecimento sobre a perspectiva dos oficiais sauditas com relação ao processo expressou esperança para um acordo, dizendo que é nisso que os sauditas têm trabalhado há muito tempo.

Segundo a fonte, o objetivo do cessar-fogo é criar um ambiente favorável às negociações com a ONU.

O Iêmen está envolvido em uma guerra civil que já dura anos e colocou uma coalizão liderada por Riad e os Emirados Árabes Unidos contra os rebeldes houthis, apoiados por Teerã. O conflito deixou milhares de mortos e levou a uma onda de fome e surtos de doenças pelo país.