EUA: prisão em Chicago pode estar relacionada a mais de 400 casos de COVID-19

Segundo autoridades locais, 251 detidos e 150 funcionários da Cook County Jail testaram positivo para a doença

Omar Jimenez, da CNN
09 de abril de 2020 às 03:34
Prisão no condado de Cook, em Chicago, nos Estados Unidos
Foto: Cook County Sheriff Official/ Reprodução

Mais de 400 pessoas ligadas a um centro de detenção em Chicago testaram positivo para a COVID-19, afirmaram autoridades do Condado de Cook. Assim, a prisão Cook County Jail é hoje a maior fonte conhecida de infecções por coronavírus nos Estados Unidos fora das unidades de saúde.

Leia também:
EUA têm recordes diários de mortes, mas avanço da COVID-19 é menor que esperado

Segundo os dados divulgados, 251 detidos e 150 funcionários deram positivo para a doença. Dos presos que adoeceram com o surto, 22 foram hospitalizados para tratamento e 31 outros foram transferidos para uma instalação de recuperação.

Um detento morreu de complicações aparentes da COVID-19, mas os resultados de uma autópsia ainda não chegaram. A prisão criou uma área de quarentena para manter os detidos infectados de outros na prisão.

O complexo penitenciário abriga cerca de 4.700 presos. Para diminuir o risco de aglomerações, autoridades considerama a ideia de libertar de julgamento acusados considerados não violentos.