Pandemia de COVID-19 pode ameaçar o suprimento global de alimentos, alerta ONU


Jessie Yeung, da CNN
11 de abril de 2020 às 01:40
Mulher vestindo máscara vende legumes em uma fazenda comunitária em Hong Kong

Mulher vestindo máscara vende legumes em uma fazenda comunitária em Hong Kong (18.mar.2020)

Foto: Anthony Wallace / Getty Images

À medida em que a nova pandemia de coronavírus força o fechamento de empresas em todo o mundo e coloca países para o confinamento, os bloqueios adotados globalmente ameaçam cortar as cadeias de suprimentos e aumentar a insegurança alimentar.

"As prateleiras dos supermercados permanecem estocadas por enquanto", disse a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês) em um relatório divulgado no final do mês passado. "Mas uma prolongada crise de pandemia pode rapidamente sobrecarregar as cadeias de suprimento de alimentos, uma complexa rede de interações envolvendo agricultores, insumos agrícolas, plantas de processamento, remessas, varejistas e muito mais".

A questão, no entanto, não é escassez de alimentos — pelo menos ainda não. Pelo contrário, são as medidas drásticas do mundo em resposta ao vírus.

O fechamento de fronteiras, restrições de movimento e interrupções nos setores de transporte e aviação tornaram mais difícil continuar a produção de alimentos e o transporte de mercadorias internacionalmente — colocando em risco os países com poucas fontes alternativas de alimentos.

As companhias aéreas aterraram milhares de aviões e os portos fecharam recipientes fechados de alimentos, medicamentos e outros produtos em alcatrões e áreas de espera, concluiu a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento em 25 de março.

A instabilidade aumentada no suprimento global de alimentos afetará mais os cidadãos mais pobres, alertou o Comitê de Segurança Alimentar Mundial (CFS) da ONU em um documento no mês passado.

Até empresas e organizações privadas pediram medidas imediatas para enfrentar a iminente catástrofe alimentar.

"Governos, empresas, sociedade civil e agências internacionais precisam tomar ações coordenadas e urgentes para evitar que a pandemia dA COVID-19 se transforme em uma crise alimentar e humanitária global", disse uma carta aberta aos líderes mundiais de cientistas, políticos e empresas como Nestlé e Unilever.

China suaviza o golpe
A China foi a mais atingida pelo vírus em janeiro e fevereiro, quando milhares de novos casos eram relatados todos os dias.

O país impôs bloqueios, suspendeu as viagens entre províncias e ordenou que os moradores ficassem em casa, interrompendo os negócios em praticamente todos os setores.

"Na China, restrições de logística e limitações de mão-de-obra causaram perdas de vegetais frescos, acesso limitado a ração animal e capacidade reduzida de matadouros", disse o relatório da FAO.

A China já enfrentou severa escassez de alimentos antes; historiadores estimam que dezenas de milhões de pessoas morreram em decorrência da fome causada por uma campanha econômica conhecida como o Grande Salto Adiante, de 1958 a 1962.

Mas a China moderna é um país totalmente diferente, com novas tecnologias e riqueza —  e trabalha há anos para melhorar sua segurança alimentar, gastando dezenas de bilhões de dólares na última década comprando grandes empresas de sementes.

Esses esforços parecem ter suavizado o golpe para a indústria de alimentos desta vez. O governo central distribuiu US$ 20 milhões em subsídios para revitalizar a agricultura e investiu em tecnologia, incluindo drones agrícolas e veículos não tripulados, que poderiam manter as cadeias de suprimentos em movimento sem contato humano, disse o relatório da FAO.

Quando as pessoas iam aos campos trabalhar, usavam máscaras e equipamentos de proteção fornecidos pelo governo e recebiam desinfetantes das autoridades locais, disse a agência de notícias estatal Xinhua.

Até o mercado dominante de comércio eletrônico do país entrou em cena; bloqueios provinciais e restrições de movimento dificultaram a exportação e o transporte de mercadorias, então a gigante do comércio eletrônico Alibaba criou um fundo para ajudar os agricultores a encontrar mercados para seus produtos não vendidos, disse o relatório.

Austrália enfrenta pressão
A Austrália exporta cerca de dois terços de seus produtos agrícolas e é um importante fornecedor para a região Ásia-Pacífico —  mas esse comércio crucial está agora ameaçado.

A indústria da aviação foi duramente atingida pela pandemia e os voos internacionais foram cortados. Menos voos significam que agora é mais caro exportar alimentos por meio de viagens aéreas, disse Richard Shannon, gerente de políticas e advocacia da Growcom, o órgão representativo da horticultura no estado de Queensland.

"O setor está rapidamente tentando encontrar rotas alternativas", declarou ele — mas alguns agricultores australianos podem tentar encontrar novos compradores no país, em vez de procurar internacionalmente.

Isso ameaça a economia do país inteiro de duas maneiras. Cerca de 14,5% de todas as exportações australianas são de produtos alimentícios, de acordo com o Observatório de Complexidade Econômica (OEC). Se os agricultores não puderem exportar seus produtos, isso poderá custar ao país dezenas de bilhões de dólares em renda perdida.

A próxima melhor opção é os agricultores venderem seus produtos na Austrália — de modo que todos esses produtos agrícolas que normalmente são enviados ao mundo estão subitamente entrando no mercado doméstico. Esse influxo pode colocar muita pressão no mercado e afetar o preço a que esses produtos são vendidos, disse Shannon.

O governo interveio com ajuda de emergência, anunciando que gastaria 110 milhões de dólares australianos (US$ 67,4 milhões) para aumentar o número de voos e ajudar os exportadores a transportar seus produtos para os principais mercados internacionais.

Mas a pandemia também colocou outros problemas. O inverno está chegando na Austrália - o que significa que trabalhadores sazonais em todo o país estão migrando para Queensland, que cultiva mais de 90% dos vegetais de inverno do país. De repente, pequenas cidades rurais estão crescendo com pessoas que chegam de fora do estado, procurando trabalho em fazendas.

Com um volume tão alto de pessoas vivendo e trabalhando em locais fechados, apenas um punhado de infecções poderia significar um desastre para as operações agrícolas - mas essas fazendas não podem ser fechadas por 14 dias, da mesma forma que as empresas de outros setores.

"Somos um serviço essencial", disse Shannon. "As pessoas precisam continuar comendo."

As autoridades e produtores de Queensland agora estão trabalhando para criar um protocolo que possa manter os trabalhadores em segurança e impedir o fechamento de fazendas, como turnos de almoço surpreendentes para reduzir o número de pessoas em contato próximo.

Os exemplos de Hong Kong e Cingapura 
Hong Kong e Cingapura são dois dos principais centros financeiros da Ásia — mas com terras agrícolas limitadas, ambos possuem pequenos setores agrícolas e importam mais de 90% de seus alimentos, segundo sites do governo.

Apesar disso, eles correm pouco risco de escassez de alimentos, dizem os especialistas. Para iniciantes, ambos têm um fornecedor principal; Hong Kong importa a grande maioria de seus alimentos da China continental e Cingapura importa da Malásia. Enquanto essas fontes principais permanecerem estáveis, os alimentos básicos estarão seguros e as importações interrompidas de outros países não terão um impacto muito grande.

Mesmo quando a China estava no fundo de sua crise de coronavírus, os alimentos ainda fluíam através da fronteira para Hong Kong, disse Jonathan Wong, diretor do Instituto de Bioresource e Agricultura da Universidade Batista de Hong Kong.

Alguns produtos de nicho, como ostras francesas, podem ser cortados por um tempo — mas isso não é uma necessidade diária, e Hong Kong pode substituir o fornecimento por outros países, disse Wong.

E embora a Malásia esteja atualmente sob um bloqueio nacional, a indústria de alimentos é um dos serviços essenciais isentos.

"Nossas cadeias de suprimentos estão intactas e não houve interrupção nas importações de Cingapura", disse o governo de Cingapura em comunicado após a Malásia anunciar o bloqueio.

Mesmo que houvesse algum tipo de interrupção, Cingapura tem estoque de dois meses em estoque e diversificou suas fontes para não depender totalmente da Malásia, disse Chan Chun Sing, ministro do Comércio e Indústria de Cingapura no Facebook.

Ilhas do Pacífico correm risco
O que é crucial e diferencia Cingapura e Hong Kong é que eles têm os recursos para comprar seus alimentos de fontes alternativas, se alguma linha de suprimento estiver comprometida. Mas isso não é verdade para países de baixa renda e dependentes de importações como as Ilhas do Pacífico.

"Os que estão em maior risco são aqueles sem bases econômicas sólidas, como Kiribati, Micronésia ou Tuvalu", disse David Dawe, economista sênior da FAO.

Alguns países em desenvolvimento, como o Laos ou Mianmar, produzem alimentos básicos suficientes, incluindo arroz, para sobreviver a um ralo de importação — mas essas ilhas do Pacífico são tão pequenas que não cultivam muito de seus próprios alimentos, disse Dawe. Eles são "remotos de qualquer maneira para começar e dependem fortemente de importações".

Essas ilhas normalmente dependem do turismo para grande parte de sua renda - mas ninguém está viajando no meio de uma pandemia global. A perda de receita do turismo, a falta de produção doméstica de alimentos e a falta de uma rede financeira ou de segurança alimentar significam que esses países estão "realmente sendo atingidos por ambos os lados", disse Dawe.

A escassez de alimentos e aumentos de preços podem levar a uma grave insegurança alimentar para populações já vulneráveis.

"Para algumas pessoas, isso pode literalmente significar que não há comida na mesa", disse Dawe. "Isso pode significar tentar pedir emprestado dinheiro de pessoas com altas taxas de juros. Pode significar ter que voltar até a sua aldeia, onde em alguns casos você terá que andar se o transporte público for desligado, para sair junto com sua família."


O que o mundo precisa fazer
A ONU no momento incentiva os países afetados a implementar medidas de emergência no mercado interno, bem como a trabalhar juntos em nível global para proteger o suprimento de alimentos.

Os governos podem proteger seus cidadãos mobilizando bancos de alimentos, oferecendo transferências monetárias a famílias vulneráveis, estabelecendo reservas alimentares de emergência e adotando medidas para proteger os trabalhadores agrícolas, disse a FAO.

A cooperação internacional e o comércio global aberto também são fundamentais; os governos devem eliminar restrições à exportação e tarifas de importação durante esse período, disse o relatório. Os países mais pobres que não podem pagar pacotes de estímulo e resgate agrícola devem buscar financiamento internacional.

"O mundo estava muito despreparado para a pandemia", afirma o relatório da FAO.

"Mas, mantendo as engrenagens das cadeias de suprimentos em movimento e buscando ativamente a cooperação internacional para manter o comércio aberto, os países podem impedir a escassez de alimentos e proteger as populações mais vulneráveis".