Cruz Vermelha envia 18 milhões de máscaras para médicos em zonas de conflito

De acordo com as projeções da organização, os equipamentos permitirão que mais de 47 mil profissionais da saúde se protejam da COVID-19

Leonardo Lopes da CNN, em São Paulo
30 de abril de 2020 às 14:02
Mulher em Maarib à espera de apoio para levar assistência recebida ao abrigo
Foto: Reprodução/ Iscander Al-Mamari/CICV

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) anunciou, nesta quinta-feira (30), que enviou mais de 18 milhões de máscaras a equipes médicas que estão atuando no combate à pandemia de do novo coronavírus em zonas de conflito no mundo inteiro

De acordo com as projeções da organização, os equipamentos permitirão que mais de 47 mil profissionais da saúde se protejam da COVID-19 e tratem os pacientes em hospitais, centros médicos, ambulâncias e locais de detenção.

Entre os beneficiados estão 7,5 mil funcionários na Síria, 3 mil na Líbia, 2,9 mil na Venezuela, 2,7 mil no Líbano, 2,2 mil no Iraque, 2,1 mil no Afeganistão, 2,1 mil na Palestina, 1,2 mil no Sudão no Sul, 1,2 na Nigéria, além de outras localidades.

"Os carregamentos também incluem mais de 1,5 milhão de aventais, capas e macacões, além de 4 milhões de pares de luvas", afirmaram em nota.

"É extremamente importante que os profissionais de saúde dos países em conflitos tenham o equipamento de proteção adequado contra a COVID-19. Eles devem poder continuar realizando, em segurança, o trabalho que salva vidas nos países onde os sistemas de saúde já funcionam no limite", afirmou Carole Dromer, vice-chefe de saúde do CICV.