Novos casos de Covid-19 em Nova York caem para níveis pré-crise, diz governador

"Superamos a montanha", disse Andrew Cuomo. Mesmo assim, ele afirmou que não iria acelerar a reabertura do estado americando mais atingido pela pandemia

Reuters
21 de maio de 2020 às 17:10
O governador de Nova York, Andrew Cuomo, durante entrevista coletiva
Foto: Mike Segar - 7.mai.2020/Reuters

Novas hospitalizações diárias no estado de Nova York em decorrência do novo coronavírus estão abaixo das taxas observadas antes das paralisações, em março, mais uma prova de que o estado mais atingido pela pandemia nos Estados Unidos tem recuperado-se, disse o governador Andrew Cuomo nesta quinta-feira (21).

Cuomo afirmou em um briefing diário que a média móvel de três dias para novas hospitalizações pelo coronavírus foi de 246 na quarta-feira, abaixo de 295 um dia antes e cerca de metade do nível relatado em 20 de março, os primeiros dados disponíveis para essa métrica.

"Na verdade, é mais baixo do que estávamos quando isso começou", disse Cuomo. "Nós superamos isso. Superamos a montanha."

Leia também:

Nova York investiga 157 casos de síndrome ligada à Covid-19 que afeta crianças

Maioria dos novos casos de Covid-19 em Nova York é entre pessoas em quarentena

Mesmo assim, Cuomo disse que não iria acelerar a reabertura de Nova York, que até agora tem permitido que sete de 10 regiões começassem a afrouxar as restrições. A cidade de Nova York, onde mais de 20.000 pessoas morreram do Covid-19, a doença causada pelo vírus, permanece bloqueada.

"Você não reabre até poder reabrir com segurança. Porque a última coisa que queremos é voltar para onde estávamos, do outro lado da montanha", disse Cuomo.

Ele disse que as aulas de verão iriam ser conduzidas remotamente e que era muito cedo para decidir sobre aulas presenciais no outono.

Cuomo disse que o número de países que tem relatado casos de uma síndrome inflamatória rara que afeta crianças e está vinculada ao Covid-19 tinha quase dobrado na semana passada, para 13, enquanto o número de Estados com casos aumentou em oito, para 25.

Nova York, que tem conduzido o rastreamento, nos EUA, da chamada síndrome inflamatória multissistêmica em crianças, agora está investigando 159 casos no Estado, disse Cuomo.