EUA antecipam suspensão de viagens do Brasil; medida começa nesta terça

A medida suspenderá a entrada nos EUA de qualquer pessoa que esteve no Brasil nos últimos 14 dias

Marcelo Favalli, da CNN em Nova York
25 de maio de 2020 às 19:40 | Atualizado 25 de maio de 2020 às 20:30
 

A Casa Branca anunciou, no começo da noite desta segunda-feira (25), que a restrição de entrada de brasileiros nos Estados Unidos passa a vigorar às 23h59 de terça-feira, no horário de Washington (0h59 de quarta-feira, pelo horário de Brasília). A medida também afeta passageiros de qualquer nacionalidade que tenham passado pelo Brasil nos últimos 14 dias. Pessoas que tenham nacionalidade americana e residentes nos Estados Unidos estão liberados.

O anúncio de hoje antecipa a medida em dois dias. O governo federal americano não explicou por que mudou a data para a norma entrar em vigor. A administração do presidente Donald Trump também não estabeleceu um limite para o fim da norma. 

Leia também:
 
Trump restringe entrada para quem esteve no Brasil
 
Saiba como funcionará a restrição de entrada nos EUA para quem esteve no Brasil
 
Após restringir viagens, Casa Branca diz que Brasil é 'um dos maiores parceiros'

No domingo (24), Trump assinou a ordem executiva para restrição de passageiros vindos do Brasil depois de uma conversa com o conselheiro de Segurança Nacional, Robert O’Brian, que pressionou o presidente a tomar a decisão. O’Brian havia indicado que a Casa Branca iria impor o bloqueio de voos vindos de aeroportos brasileiros na manhã de ontem, durante uma entrevista à TV americana.

Na semana passada, Trump disse durante uma coletiva de imprensa que a possibilidade de restringir a entrada de turistas latinos – em especial, dos brasileiros – continuava sendo uma opção, diante do crescente número de casos de Covid-19 registrados na América do Sul.

Em 28 de abril, quando o presidente se encontrou com o governador da Flórida, Ron DeSantis, o assunto também apareceu na conversa com os jornalistas. Na época, o governador disse que as medidas de contenção à doença estavam sendo aplicadas a todos os estrangeiros que desembarcavam na Flórida. E que, no final de abril, ainda não era necessária uma medida drástica como o bloqueio de passageiros.

A decisão hoje antecipada pela Casa Branca é mais um duro golpe na indústria do turismo. Em 2019, o Brasil foi o sétimo país que mais mandou turistas para os Estados Unidos, com 2,1 milhões de passageiros. O número de estrangeiros que entraram no país caiu 96% desde o começo do ano. As operadoras de viagem esperavam uma melhora do cenário na segunda metade de junho, quando começa o verão americano e após a reabertura dos parques temáticos da Flórida.