Estas são as imagens de George Floyd que você deveria ver

Uma série de protestos aconteceu em Mineápolis, no estado de Minnesota, após a morte de George Floyd, assassinado por quatro policiais brancos

Da CNN
28 de maio de 2020 às 13:28 | Atualizado 28 de maio de 2020 às 13:43
A indignação pela morte de George Floyd, 46, vai além de sua família e amigos. Várias celebridades reagiram ao incidente nas redes sociais
Foto: Ben Crump Law Firm

George Floyd mudou-se para Minnesota "para dar o melhor de si", como um amigo disse.

Ele trabalhava como segurança em um restaurante, onde desenvolveu uma reputação de alguém que estava presente quando alguém estava deprimido, sempre disposto a ajudar outras pessoas.

"Conhecer o meu irmão é amar o meu irmão", disse Philonise Floyd, irmão de George, à CNN, na terça-feira (26).

"Ele é um gigante gentil, não machuca ninguém". 

Floyd, 46, morreu na segunda-feira (25) na cidade onde se mudou para uma vida melhor. Os seus últimos momentos foram capturados em vídeo.

Enquanto estava preso, Floyd foi detido por um policial de Mineápolis, que se posicionou com os joelhos sobre o seu pescoço. O vídeo mostra Floyd dizendo que está com dor e não consegue respirar. Então, seus olhos se fecharam e os pedidos pararam. Ele foi declarado morto logo depois.

Esse oficial e três outros envolvidos no incidente foram demitidos.

'Ele era amado por todos'


Foto: Ben Crump Law Firm

Floyd, nascido e crescido em Houston, se formou na Jack Yates High School, onde jogava futebol, de acordo com a KTRK, afiliada da CNN.

Ele se mudou para Minnesota para trabalhar e dirigir caminhões, de acordo com o amigo e ex-jogador da NBA, Stephen Jackson.

"Ele sabia que tinha que se mudar para se tornar a sua melhor versão", escreveu Jackson no Instagram.

"A diferença entre eu e meu irmão foi que eu tive mais oportunidades do que ele", escreveu Jackson, que venceu um campeonato com o San Antonio Spurs em 2003. "Duas coisas que temos em comum, tanto a origem quanto o nosso nome, vão viver para sempre". 

Floyd trabalhou como segurança no Conga Latin Bistro, em Mineápolis, por cinco anos, segundo o proprietário do local, Jovanni Thunstrom.

"Ele era amado por todos os meus funcionários e clientes", disse Thunstrom à CNN. "Ele era meu amigo."

"Eu estava vendo o vídeo e disse que não pode ser o Floyd, mas depois [o assunto] explodiu. Foi o Floyd. E foi aí que me atingiu, me bateu com força", disse Thunstrom.


Foto: Ben Crump Law Firm

Floyd era a pessoa que ajudaria na limpeza após o fechamento do bar e era "um cara muito legal e muito bom com os clientes", segundo Thunstrom.

"Ele defendeu as pessoas, ele estava lá quando as pessoas caíam, ele amava as pessoas que eram jogadas fora", disse Courteney Ross, amigo de Floyd, à WCCO, filiada da CNN.

"Rezávamos em todas as refeições, rezávamos quando estávamos em um momento de dificuldade, rezávamos quando estávamos nos divertindo".

Celebridades expressam indignação 

A raiva e o sentimento de indignação pela morte de Floyd vão além de sua família e amigos. Várias celebridades reagiram ao incidente nas redes sociais. 

O jogador da NBA LeBron James compartilhou uma foto lado a lado no Instagram. De um lado, você pode ver uma captura de tela do encontro entre Floyd e a polícia. Na foto à esquerda, o joelho de um policial de Minnesota pode ser visto no pescoço de Floyd. Na foto à direita, está a imagem do quarterback do San Francisco 49ers, Colin Kaepernick, ajoelhado em protesto durante o hino nacional de um jogo de futebol na pré-temporada, em 2016.

Na época, Kaepernick havia dito que não honraria uma música nem "mostraria orgulho pela bandeira de um país que oprime pessoas negras". 

A postagem de James é acompanhada pela legenda: "Você entende AGORA!!?!!?? Ou ainda está confuso para você? #StayWoke".

'Eles deveriam estar lá para servir e proteger'

Embora os quatro policiais de Mineápolis envolvidos na morte de Floyd tenham sido demitidos, os familiares de George Floyd disseram que isso não é suficiente. Eles querem ver os policiais acusados de assassinato.

"Eles deveriam estar lá para servir e proteger, e eu não vi nenhum deles levantar um dedo para ajudar, enquanto ele estava implorando por sua vida. Nenhum deles tentou fazer nada para ajudá-lo", disse Tera Brown, prima de Floyd.

O FBI está investigando o caso e afirmou que apresentará a investigação ao Ministério Público dos Estados Unidos, no Distrito de Minnesota, para consideração de possíveis acusações federais.

O Departamento de Apreensão Criminal de Minnesota está conduzindo sua própria investigação sobre possíveis violações dos estatutos do estado, afirmou o FBI.

Na quarta-feira (27), a Major Cities Chiefs Association, uma organização de executivos da polícia que representa as maiores cidades dos EUA e do Canadá, divulgou um comunicado chamando as ações dos policiais envolvidos na morte de Floyd: "inconsistentes com o treinamento e os protocolos de nossa profissão".

"O que ocorreu em Mineápolis é um lembrete sério de como o mau policiamento pode minar essa confiança."

A Federação de Oficiais de Polícia de Mineápolis disse em comunicado que os policiais estavam cooperando na investigação e insistiu que "agora não é hora de pedir por [julgamentos]", enquanto as ações dos policiais são investigadas.