Caso George Floyd: 7º dia de protestos tem tumulto perto da Casa Branca

Ao menos 40 municípios americanos adotaram toque de recolher durante a noite, restringindo a circulação de pessoas nas ruas em um determinado horário

Cheri Mossburg, Julie Gallagher e Holly Yan, da CNN
02 de junho de 2020 às 00:14 | Atualizado 02 de junho de 2020 às 06:51

Os Estados Unidos registram, nesta segunda-feira (1º), o sétimo dia seguido de protestos em reação após a morte de George Floyd. Confrontos entre policiais e manifestantes ocorreram em algumas cidades. Saques aconteceram por todo o país e, próximo do momento de início dos toques de recolher decretados em ao menos 40 cidades, ainda havia pessoas nas ruas.

Uma autópsia independente descobriu, nesta segunda, que Floyd morreu de "asfixia devido à pressão sustentada", enquanto o médico legista do condado de Hennepin não encontrou "nenhum achado físico" para "apoiar o diagnóstico de asfixia traumática ou estrangulamento".

O ex-policial que foi filmado com o joelho no pescoço de Floyd foi acusado de assassinato e homicídio culposo em terceiro grau - mas os manifestantes dizem que a acusação não é suficientemente dura e estão exigindo acusações para os outros policiais envolvidos.

Toques de recolher

Ao menos 40 municípios americanos adotaram toque de recolher durante a noite, restringindo a circulação de pessoas nas ruas em um determinado horário, e os membros da Guarda Nacional atuam em pelo menos 23 estados, além do distrito de Washington.

Esses são os toques de recolher decretados na noite de segunda, em levantamento da CNN:

Alabama: Birmingham
Arizona: Todo o estado
California: Los Angeles County, San Francisco, San Jose
Colorado: Denver
District of Columbia
Flórida: Miami, Orlando 
Geórgia: Atlanta
Illinois: Chicago
Iowa: Scott County, includes Davenport, Coralville, Polk County, includes Des Moines
Indiana: Indianapolis
Michigan: Detroit
Minnesota: Minneapolis, St. Paul
New Jersey: Atlantic City 
New York: New York City
North Carolina: Raleigh
Ohio: Cincinnati 
Pennsylvania: Philadelphia
Tennessee: Nashville
Texas: Fort Worth
Virginia: Richmond
Wisconsin: Madison

 

Veja, abaixo, a situação em algumas das principais cidades americanas:

Tumulto próximo à Casa Branca

Em Washington DC, o toque de recolher entrou em vigor na noite desta segunda, mas multidões de manifestantes desrespeitaram a medida e permaneceram nas ruas.

Cenas de violência foram registradas, com a polícia disparando balas de gás lacrimogêneo e borracha para expulsar os manifestantes do Lafayette Park, a poucos quarteirões da Casa Branca.

O tumulto foi ouvido no Jardim de Rosas da Casa Branca, quando o presidente Donald Trump deu uma coletiva de imprensa se proclamando "o presidente da lei e da ordem".

Ao fim da noite, a maioria dos manifestantes já marchava pacificamente - mas, em alguns focos de tensão, grupos jogavam pedras e quebravam vitrines de lojas.

 

Manifestantes em NY dizem não temer ação policial

Próximo do horário do início do toque de recolher em Nova York, no fim da noite, milhares de pessoas seguiam marchando pelo bairro do Brooklyn

A cidade tentou se preparar para grandes manifestações; há o dobro de policiais nas ruas de Nova York do que na noite anterior, e as autoridades deixaram claro que pessoas não essenciais nas ruas sofrerão prisão e serão indiciadas por delito. 

Alguns manifestantes, porém, declaram não temer a ação policial. 

"Eles deixaram bem claro que continuarão enviando sua mensagem", disse o correspondente da CNN Jason Carroll, após conversar com manifestantes. "As pessoas com quem falei aqui dizem: 'olha, estamos preparados para ir para a cadeia. Estamos preparados para fazer o que for necessário para divulgar nossa mensagem'".

A maioria dos protestos em Nova York foram pacíficos nesta segunda-feira, mas saques foram registrados em Manhattan.

Várias lojas ao longo da área central da Union Square foram saqueadas e vandalizadas. Uma loja de tabaco teve o vidro quebrado por uma bicicletta arremessada. Com o local acessível, saqueadores invadiram o local e retiraram mercadorias. 

Algumas lojas tentaram se proteger fechando suas janelas - mas os saqueadores conseguiram passar pelas tábuas de madeira e papelão, quebrando o vidro e saqueando itens no interior dos estabelecimentos. Lojas sofisticadas também foram alvos.

 

Em meio a saques, prefeito de Los Angeles pede protestos sem violência 

O prefeito de Los Angeles, Eric Garcetti, criticou a morte de George Floyd e pediu aos manifestantes que se realizem atos pacíficos na noite de segunda-feira.

A morte de Floyd foi "fundamentalmente antiamericana, desumana", disse ele em entrevista coletiva. "E isso clama por justiça."

Mas o prefeito também pediu aos manifestantes que não promovam saques ou ações destrutivas, dizendo que isso pejudicaria o próprio movimento.

"Vamos continuar a fazer tudo o que pudermos para restaurar a paz e manter esta cidade segura", disse ele. "Estamos jogando tudo o que temos para manter a paz, e vamos jogar tudo o que temos na promoção da justiça - e ninguém lá fora precisa escolher entre esses dois".

Lojas, prédios e shopping centers da cidade e do condado de Los Angeles foram saqueados e vandalizados durante protestos pela morte de George Floyd.

A Guarda Nacional foi enviada para apoiar as autoridades policiais e o condado impôs um toque de recolher pela segunda noite.