Trump dá indulto ao amigo Roger Stone, condenado por mentir à Justiça

Stone foi condenado em novembro de 2019, envolvido na investigação sobre influência russa na eleição americana

Da CNN, em São Paulo
11 de julho de 2020 às 09:02
O presidente dos EUA, Donald Trump, em Washington
Foto: Leah Millis/Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou na noite de sexta-feira (10) que indultaria seu amigo de longa data Roger Stone, condenado por mentir para a Justiça e para o Congresso para proteger o mandatário.

O consultor político deveria se apresentar até terça-feira (14) a uma prisão federal em Jesup, no estado da Geórgia, para cumprir sua pena de três anos e quatro meses.

Stone, que foi condenado em novembro de 2019, estava entre os vários aliados de Trump envolvidos na investigação comandada por Robert Mueller que apurou a influência da Rússia na eleição presidencial de 2016. A Justiça apontou que ele havia cometido sete crimes, entre eles falso testemunho e interferência e obstrução de investigação.

Leia também

Sem provas, Trump acusa governo Obama de traição

Campanha de Trump processa NYT por artigo sobre relação com a Rússia

Ao receber a notícia, Stone fez aparição à frente da sua casa, na Flórida, utilizando uma máscara com os dizeres “Free Roger Stone”. “Isso foi um grande pesadelo, ainda mais quando você entende que esta investigação nunca foi legítima. Era uma caça às bruxas”, disse o aliado do presidente.

Trump, que nunca aceitou a condenação do amigo e reclamou publicamente da investigação por diversas vezes, também se manifestou sobre o caso. “Roger Stone já sofreu bastante”, disse a Casa Branca em comunicado. “Ele recebeu um tratamento injusto, como vários outros personagens deste processo. Roger Stone agora é um homem livre!”

Diversos políticos democratas reagiram à decisão com várias críticas endereçadas ao presidente. O congressista Adam Schiff, membro da Comissão de Inteligência da Casa, afirmou no Twitter que Trump tem “dois sistemas de Justiça, um para seus amigos criminosos e outro para o restante das pessoas.”