De 2 milhões a mil: peregrinação muçulmana a Meca sofre alterações por pandemia


Tamara Qiblawi, Jomana Karadsheh e Mostafa Salem, da CNN
29 de julho de 2020 às 17:30

Muçulmanos observaram os primeiros rituais de um Hajj —peregrinação anual a Meca— histórico nesta quarta-feira (29), com cerca de mil peregrinos aderindo a "bolhas de segurança" e medidas de distância social em meio ao medo do novo coronavírus.

Enquanto o Hajj normalmente reúne uma multidão enorme, convergindo em torno do altar mais sagrado do islamismo, a peregrinação deste ano conta com fiéis circulando a Caaba seguindo círculos concêntricos marcados no chão. Peregrinos separados por metros usam máscaras e caminham em ritmo controlado.

Número limitado de peregrinos caminham em torno de sagrado altar do islamismo

Número limitado de peregrinos caminham em torno do mais sagrado altar do islamismo em Meca

Foto: Ministério de Imprensa Saudita/Ap (29.jul.2020)

O Tawaf-Al-Qudum, rito de passagem em grupo na cidade sagrada de Meca, foi diferente de tudo que os muçulmanos assistindo às procissões pela televisão já tinham visto antes. Em média, mais de dois milhões de fiéis participam do Hajj, que é considerado um dos cinco pilares do Islã.

Peregrinos internacionais foram barrados do Hajj deste ano. Os selecionados para participar são estrangeiros que residem na Arábia Saudita e sauditas natos entre as idades de 20 e 50 anos.

Peregrinos mantêm distanciamento enquanto circulam altar em Meca

Peregrinos mantêm distanciamento enquanto circulam altar em Meca

Foto: Ministério de Imprensa Saudita/AP (29.jul.2020)

"Estamos tentando aplicar o conceito de 'bolhas de segurança', em que cada peregrino terá um ambiente em seu entorno que é tão livre e seguro quanto possível de qualquer risco, então tudo que é necessário para os Hajjis é seu equipamento de proteção pessoal. Produtos de higiene serão fornecidos sem custo", disse Abdullah Assiri, assistente do vice-ministro de Saúde Preventiva no Ministério da Saúde saudita, à CNN.

Na Grande Mesquita, lacunas separavam os tapetes de oração dos fiéis, quando normalmente o ritual acontece ombro a ombro com outros religiosos. Todos esses peregrinos já passaram por uma quarentena rigorosa e um processo de avaliação de saúde, de acordo com as autoridades do país.

"Há alguns rituais do Hajj em que realmente não podemos separar [os peregrinos], porque eles têm de estar no mesmo lugar ao mesmo tempo, então tivemos que preparar esses lugares de maneira que o distanciamento social seja mantido e também para disponibilizar equipamentos de proteção individual", disse Assiri. 

(Texto traduzido, veja o original em inglês

Agentes de segurança ao lado da entrada da Grande Mesquita de Meca

Agentes de segurança ao lado da entrada da Grande Mesquita de Meca fiscalizam distanciamento

Foto: Ministério de Imprensa Saudita/AP (29.jul.2020)