Condenado por ataque à maratona de Boston ganha recurso contra pena de morte


Reuters
31 de julho de 2020 às 21:41 | Atualizado 31 de julho de 2020 às 21:41
Dzhokhar Tsarnaev, que ajudou a realizar o ataque de 2013 na maratona de Boston

Dzhokhar Tsarnaev, que ajudou a realizar o ataque de 2013 na maratona de Boston, que matou três pessoas e feriu mais 260

Foto: Procuradoria de Boston/via Reuters (23.mar.2015)

Um tribunal federal de apelações anulou nesta sexta-feira (31) a sentença de morte de Dzhokhar Tsarnaev por ajudar a realizar o ataque de 2013 na maratona de Boston, que matou três pessoas e feriu mais 260.

O tribunal em Boston confirmou grande parte da condenação de Tsarnaev, mas ordenou a um juiz de instância interior que realize um novo julgamento estritamente sobre a sentença que Tsarnaev deveria receber pelos crimes elegíveis à pena de morte pelos quais ele foi condenado.

Leia também:

Governo dos EUA executa terceiro homem nesta semana após intervalo de 17 anos

Uma porta-voz do procurador Andrew Lelling disse que seu escritório está analisando a decisão e terá mais a dizer "nos próximos dias e semanas". Um advogado de Tsarnaev não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A juiz O. Rogeriee Thompson, escrevendo para o tribunal, disse que o juiz de instrução "ficou aquém" ao conduzir o processo de seleção do júri e assegurar que poderia eliminar jurados parciais, expostos à publicidade pré-julgamento em torno do caso de grande relevância.

Tsarnaev e seu irmão mais velho, Tamerlan, provocaram cinco dias de pânico em Boston em 15 de abril de 2013, quando detonaram duas bombas caseiras de panela de pressão na linha de chegada da maratona e depois se esconderam.

Três noites depois, quando tentavam fugir da cidade, eles provocaram uma nova rodada de terror em Boston quando apropriaram-se de um carro e depois mataram a tiros o policial Sean Collier, do campus do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts).

O irmão de Tsarnaev morreu mais tarde naquela mesma noite, após um tiroteio com a polícia.