Presidente do Chile anuncia pacote contra a Covid-19 e alerta contra populismo


Natalia Ramos, da Reuters
01 de agosto de 2020 às 16:41
Sebastián Piñera, presidente do Chile

Sebastián Piñera, presidente do Chile: "O mundo inteiro está sendo ameaçado pelo populismo"

Foto: José Cruz - 27.abr.2018/Agência Brasil

O presidente do Chile, Sebastian Piñera, anunciou US$ 4,5 bilhões em pacotes adicionais de estímulo para ajudar a amenizar os efeitos da pandemia e alertou contra uma tendência ao populismo, enquanto a população do país se aproveita de uma nova regra que permite sacar os fundos de pensão.

Em discurso aos congressistas, Piñera disse que o investimento público em 2020-2022 chegará a US$ 34 bilhões, dos quais US$ 4,5 bilhões não haviam sido anunciados anteriormente.

O líder de centro-direita alertou contra soluções populistas para os problemas econômicos do Chile, que incluem enormes desigualdades e uma recessão agravada pelo impacto da Covid-19.

Leia também:
EUA: coordenadora de bancada negra emerge como possível vice de Biden em eleição
Trump diz que vai banir TikTok nos Estados Unidos

"O mundo inteiro está sendo ameaçado pelo populismo, que sempre oferece o caminho fácil de direitos sem deveres, de realizações sem esforço", disse ele, advertindo contra "promessas de soluções fáceis para problemas difíceis".

Mais de 3 milhões de chilenos pediram na quinta-feira a retirada de parte de seus fundos de pensão depois que entrou em vigor uma lei permitindo que os cidadãos aproveitassem as economias da aposentadoria.

O governo de Piñera se opôs à medida de emergência. Ele também alertou sobre o impacto de longo prazo na lucratividade e nos já baixos pagamentos médios de pensões.

Apesar dos apelos, as pesquisas de opinião indicam quase nove em cada dez chilenos pensam em tirar proveito das quantias do fundo. A maioria disse que usaria o dinheiro para pagar por bens e serviços básicos.

"O efeito que o coronavírus e a recessão global tiveram sobre nossa economia, e as famílias chilenas, foram devastadores", afirmou o presidente.