Bolívia encerra ano letivo por pandemia e falta de condições para ensino virtual


Gloria Carrasco, da CNN
03 de agosto de 2020 às 13:13
Sala de aula vazia

Segundo ministro, não haverá reprovação de alunos e todos passarão para o nível educacional seguinte

Foto: Divulgação / Pixabay

O ministro da presidência da Bolívia, Yerko Núñez, anunciou nesse domingo (2) o encerramento do ano escolar 2020 no país. Os motivos são a pandemia do novo coronavírus e a falta de condições para fazer a educação virtual alcançar todo o território nacional.

“O governo da presidente Jeanine Áñez comunica o encerramento da gestão educativa 2020 para o subsistema da educação regular em seus níveis inicial, primário e secundário”, afirmou Núñez. Ele destacou que não haverá reprovação de alunos e todos passarão para o nível educacional seguinte. 

Assista e leia também:
Secretário explica critérios para volta às aulas presenciais em São Paulo
Estados preparam plano conjunto de volta às aulas das escolas públicas
Volta às aulas: retorno das escolas é alvo de discussão no Brasil e no mundo

“O salário dos professores do setor público continuará sendo pago, apesar de os sindicatos de professores e organizações políticas quererem que haja aulas presenciais, colocando em sério risco a saúde e a vida de nossos filhos”, disse o ministro. “Por isso, não haverá classes presenciais, mas também não haverá classes virtuais, não há outra saída a não ser encerrar o ano escolar.”

A medida, segundo ele, se deve ao “lamentável atraso tecnológico, produto das últimas décadas”. O ministro explicou ainda que este período será dedicado à ampliação da rede de fibra óptica, sinal de satélite e de internet, fornecimento de equipamentos tecnológicos e assinatura de acordos entre os governos nacional, departamentais e municipais para garantir o acesso à rede no país.

“Todos sabemos que, durante esses 14 anos de bonança econômica, o governo anterior não investiu para melhorar esses sistemas de internet, não conseguimos entrar na modernidade e lamentamos muito que em províncias, em muitos setores do país não haja internet e por isso não se pode dar aulas e por isso também é que foi tomada a decisão de encerrar o ano escolar”, acrescentou. A medida entra em vigor a partir de hoje.

(Texto traduzido, clique aqui e leia o original em espanhol.)