Professores fazem carreatas contra volta às aulas nos EUA

Docentes alegam que medida não deveria ser tomada diante da alta no contágio pela Covid-19 em várias partes do país

Brendan O'Brien, da Reuters
03 de agosto de 2020 às 23:52
Professores da Flórida protestam contra proposta de volta às aulas presenciais
Professores da Flórida protestam contra proposta de volta às aulas presenciais
Foto: Octavio Jones/Reuters

Professores e funcionários de mais de 35 distritos escolares dos Estados Unidos realizaram protestos nesta segunda-feira contra os planos de retomada de aulas presenciais enquanto os casos de Covid-19 aumentam em várias partes do país. 

Os manifestantes, que fizeram carreatas levando cartazes e com mensagens pintadas em seus veículos, exigem que as escolas não retomem as aulas em agosto e setembro, até que dados científicos justifiquem tais medidas. 

Os profissionais de educação querem que os distritos esperem até que entrem em vigor protocolos como salas de aulas com menos alunos e a realização de mais testes, além de que escolas sejam equipadas com um número adequado de coordenadores e enfermeiras, segundo um site construído para representar as manifestações. 

No Twitter, a Associação de Educadores e Professores de Milwaukee mostrou manifestantes com falsas sepulturas que diziam "Aqui jaz um estudante da terceira série de Green Bay que pegou Covid na escola" e "Descanse em paz, vovó. Pegou Covid ajudando seus netos com o dever de casa". 

As mortes por Covid-19 nos Estados Unidos cresceram pela quarta semana consecutiva, para mais de 8.500 pessoas nos sete dias até 2 de agosto, enquanto o número de novos casos caiu pela segunda semana consecutiva, como mostrou uma análise da Reuters.

Assista e leia também:

Volta às aulas: retorno das escolas é alvo de discussão no Brasil e no mundo

Estados preparam plano conjunto de volta às aulas das escolas públicas

Mais de 155 mil pessoas já morreram por complicações ligadas à Covid-19 nos Estados Unidos, o maior número entre todos os países do mundo. Os casos subiram semana após semana em 20 Estados, incluindo Missouri, Montana e Oklahoma. 

Os professores também estão pedindo ajuda financeira para pais em necessidade, incluindo assistência para pagamentos hipotecários e aluguel, uma suspensão das ordens de despejos e fechamentos, e pagamento de auxílio em dinheiro.