Casa Branca questionou Dakota do Sul sobre adição de Trump ao Monte Rushmore

Monumento tem rostos dos presidentes considerados fundadores dos EUA esculpidos em montanha

Jamie Ehrlich, da CNN
09 de agosto de 2020 às 16:16 | Atualizado 09 de agosto de 2020 às 22:50
O presidente dos EUA Donald Trump ao lado da primeira-dama, Melania Trump, no Monte Rushmore
Foto: Reprodução/Casa Branca (4.jul.2020)

Assistentes da Casa Branca entraram em contato com a governadora do estado da Dakota do Sul, Kristi Noem, em 2019, para questionar sobre o processo para acrescentar presidentes ao Monte Rushmore, mostrou o jornal The New York Times. 

Uma pessoa que tem familiaridade com o assunto que falou com o Times que Noem cumprimentou Trump, quando ele chegou ao estado para as celebrações do Quatro de Julho no monumento, com uma réplica do Monte Rushmore que incluía o rosto dele. 

Leia também:

No Monte Rushmore, Trump diz que retirar monumentos é 'apagar história' dos EUA

Estátuas de Cristóvão Colombo são depredadas e derrubadas nos EUA

Noem já havia comentado anteriormente que é o "sonho" de Trump ter sua face no Monte Rushmore, a escultura da era Coolidge [presidente americano entre 1923-1929] que estapa rostos de quase dois metros dos presidentes George Washington, Thomas Jefferson, Abraham Lincoln e Theodore Roosevelt.

De acordo com uma entrevista da governadora em 2018, os dois conversaram sobre a escultura no Gabinete Oval durante a primeira reunião que tiveram, quando ela pensou que ele estava brincando. "Eu comecei a rir", ela disse. "Ele não estava rindo, então estava sendo completamente sério". 

"Ele disse, 'Kristi, venha cá. Aperte a minha mão, então eu apertei a mão dele, e eu disse, 'Sr. Presidente, você deveria vir à Dakota do Sul qualquer dia. Nós temos o Monte Rushmore.' E ele disse, 'Você sabia que é meu sonho ter meu rosto no Monte Rushmore?'"

Trump também brincou com a ideia de se ser adicionado ao Monte Rushmore, em 2017, em um comício eleitoral na cidade de Youngstown, em Ohio.

Durante o discurso do Quatro de Julho a apoiadores na Dakota do Sul, Trump defendeu ferozmente o monumento — que ativistas e líderes indígenas criticam há tempos por sua história e propósito —, dizendo que ele "durará para sempre como um tributo eterno aos nossos antepassados e a nossa liberdade". 

"Enquanto nós nos encontramos aqui essa noite, há um perigo crescente que amaça todas as bênçãos pelas quais nossos ancestrais lutaram tanto", afirmou. 

Um funcionário da Casa Branca destacou ao New York Times que o Monte Rushmore é um monumento federal, não estadual.

A resposta de Trump

Mais tarde, o presidente dos Estados Unidos retweetou o texto da CNN e disse ser "fake news". "Nunca sugeri isso mas, baseado em todas as muitas coisas que consegui durante os primeiros três anos e meio, talvez mais do que qualquer outra presidência, parece uma boa ideia", escreveu. 

No mesmo minuto, ele publicou uma imagem de si mesmo com o Monte Rushmore ao fundo.

Montagem publicada por Donald Trump com o Monte Rushmore ao fundo
Foto: Reprodução/Twitter (9.ago.2020)

(Texto traduzido, leia o original em inglês)