Nova Zelândia marca 100 dias sem transmissão doméstica do novo coronavírus

Governo alerta que as pessoas não podem se dar ao luxo de ficarem complacentes neste momento

Da CNN
09 de agosto de 2020 às 05:41
A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, lançou sua campanha de reeleição no sábado
Foto: Reprodução - 23.mar.2020 / Reuters

A Nova Zelândia marca 100 dias, neste domingo (9), sem registros de transmissão doméstica do novo coronavírus. Mesmo assim, o país alerta contra a complacência de países como Vietnã e Austrália, que chegaram a controlar o vírus durante um período, mas agora lidam com o ressurgimento de infecções.

Em um comunicado do Ministério da Saúde da Nova Zelândia, o governo disse que a maioria das 1.219 pessoas infectadas com a doença no país já se recuperaram. Somente 23 infectados permanecem em tratamento em unidades de isolamento.

O diretor-geral de Saúde, Ashley Bloomfield, afirmou que apesar de esses 100 dias sem transmissão doméstica serem um “marco importante”, as pessoas não podem se dar ao luxo de ficarem complacentes.

Assista e leia também:
Novos casos de coronavírus na Nova Zelândia abalam confiança pública
Nova Zelândia livre da pandemia: 'Informação foi essencial', diz brasileira
Nova Zelândia retoma vida 'livre da Covid' com compras, festas e abraços

“Estamos vendo o quão rápido o vírus pode voltar a emergir e se espalhar em lugares onde estava sob controle antes, e precisamos estar preparados para rapidamente eliminar qualquer caso futuro na Nova Zelândia”, destacou Bloomfield. “Não baixem a guarda, nenhum de nós pode se dar ao luxo de fazer isso.”

A bem-sucedida luta dos neozelandeses contra a Covid-19 fez da nação de 5 milhões de habitantes uma das mais seguras do mundo neste momento.

A população está voltando à vida normal, mas as autoridades agora se preocupam com o fato de que as pessoas estão se recusando a fazer testes e até mesmo ignorando algumas orientações básicas de higiene.

A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, lançou sua campanha de reeleição nesse sábado (8), chamando esta de “a eleição da Covid”. Contudo, um ressurgimento de casos causados pelo “cansaço com a doença” pode provocar uma reação contra ela, e dar à oposição uma chance de voltar à disputa eleitoral.

(Com Reuters)