Ajuda do Brasil ao Líbano terá 300 ventiladores pulmonares e 100 mil máscaras

Previsão é de que o ex-presidente Michel Temer, convidado pelo presidente Jair Bolsonaro para chefiar a missão, embarque na quarta-feira

Por Igor Gadelha, CNN  
10 de agosto de 2020 às 08:44 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 09:12

A ajuda humanitária que o Ministério da Saúde brasileiro enviará ao Líbano nesta semana incluirá 300 ventiladores pulmonares mecânicos e 100 mil máscaras cirúrgicas, informou a pasta à CNN.

De acordo com o ministério, os ventiladores foram adquiridos pelo Brasil especialmente para serem doados ao Líbano, sem prejuízo aos usados no tratamento de pacientes brasileiros da Covid-19.

O ministério também mandará 16 médicos voluntários, entre ortopedistas e anestesistas, para atuar no reforço ao atendimento das vítimas feridas pela explosão na capital, Beirute, na semana passada.

Como a coluna noticiou na sexta-feira (7), a ajuda deve contar ainda com 30 medicamentos, entre eles, amoxicilina, benzilpenicilina, hipoclorito de sódio, ibuprofeno e paracetamol.

Leia também:

Temer vai pedir autorização à Justiça para ir ao Líbano

Líbano tem 2ª renúncia de ministro em meio a crise e crescente pressão popular

Segundo o Ministério da Saúde, os remédios e insumos poderão ajudar no atendimento emergencial de até 1,5 mil pessoas por um período de três meses ou de até 4,5 mil pessoas em um mês.

Os equipamentos pesam 3,9 toneladas e devem embarcar nesta quarta-feira (12) no KC-390, cargueiro da Força Aérea Brasileira que o governo destinou para transportar a ajuda humanitária ao Líbano.

Viagem na quarta

A previsão é de que o ex-presidente Michel Temer, convidado pelo presidente Jair Bolsonaro para chefiar a missão, e outros integrantes da delegação também embarquem para Beirute na quarta-feira (12).

O avião da Força Aérea Brasileira deve partir de São Paulo, onde já se encontra a maior parte dos medicamentos e insumos que o Ministério da Saúde enviará aos libaneses.

Além de Temer, a missão contará com o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Paulo Skaf, que também tem origem libanesa, como o ex-presidente da República.

Na manhã desta segunda-feira (10), Temer e Skaf participam de videoconferência com empresários e lideranças da comunidade libanesa no Brasil, para arrecadar mais doações para levarem na missão.

Para viajar, Temer precisará de autorização judicial, pois é investigado na Lava Jato. A defesa dele informou que o pedido de autorização já está pronto e será apresentado assim que os detalhes da missão forem fechados.