Em meio a confrontos em Belarus, Lituânia diz que abriga opositora de Lukashenko

Belarus tem protestos e conflitos entre manifestantes e policiais após a contestada reeleição do presidente Alexander Lukashenko.

Andrei Makhovsky, da Reuters
11 de agosto de 2020 às 05:33
Svetlana Tikhanouskaya
Foto: Twitter/ Reprodução

A líder da oposição bielorrussa Svetlana Tikhanouskaya se juntou aos filhos na vizinha Lituânia, disse o ministro das Relações Exteriores na terça-feira, após duas noites de confrontos em Belarus que se seguiram à contestada reeleição do presidente Alexander Lukashenko.

Tikhanouskaya, de 37 anos, emergiu há algumas semanas para montar o maior desafio em anos ao governo de Lukashenko, ao candidatar-se às eleições depois que seu marido blogueiro foi preso.

Leia também:
Duterte diz ter 'grande confiança' em vacina russa e se voluntaria para teste

"Svetlana Tikhanovskaya está segura. Ela está na Lituânia", tuitou a ministra das Relações Exteriores da Lituânia, Linas Linkevicius.

Houve preocupação com o paradeiro de Tikhanouskaya depois que sua equipe de campanha disse na segunda-feira que não conseguiu contatá-la por telefone horas depois que ela saiu de uma reunião com funcionários da comissão eleitoral central.

Pelo menos uma pessoa morreu enquanto a polícia entrava em confronto com os manifestantes na segunda-feira, depois que a oposição acusou Lukashenko de fraudar a votação em meio a críticas generalizadas de líderes ocidentais.

A polícia com capacete disparou gás lacrimogêneo, balas de borracha e granadas de choque e usou cassetetes para dispersar milhares de pessoas em Minsk em uma segunda noite de violência. Os manifestantes montaram barricadas em várias áreas e jogaram bombas de gasolina.

A mídia local noticiou confrontos ocorrendo em outras cidades.

No poder há mais de um quarto de século, Lukashenko comparou os manifestantes a gangues criminosas e revolucionários perigosos com sombrios patrocinadores estrangeiros.