Cientista encontra parasita comedor de língua em peixe

Piolhos comedores de língua não são achados comuns e não se sabe o quão comuns são entre os peixes

Scottie Andrew da CNN
14 de agosto de 2020 às 12:55
A criatura parecida com um inseto, de cor roxa, é um crustáceo parasita que se alimenta da língua do peixe
Foto: Cortesia de Kory Evans

Durante um estudo de crânios de peixes, um biólogo que estuda a evolução dos animais encontrou um parasita escondido dentro da boca de um bodião. E o parasita não só havia comido a língua do peixe como tomado o seu lugar.

O parasita, um tipo de piolho comedor de língua, é encontrado em uma variedade de peixes e ecossistemas, mas ainda não se sabe em qual quantidade. A descoberta acidental pode estimular novas pesquisas sobre o assunto.

A ideia de uma criatura parecida com um inseto se alimentando de línguas é o suficiente para fazer qualquer leigo estremecer. Para Kory Evans, professor assistente do Departamento de Biociências da Rice University, no Texas, foi uma descoberta empolgante.

Evans estuda como as características evoluíram em peixes — animais que fornecem um bom modelo evolutivo, já que constituem metade de todas as espécies de vertebrados. O professor está mais interessado em seus crânios, incluindo como eles se formam e quais fatores afetam sua forma.

Seu projeto atual envolve escanear centenas de espécies de bodiões (ele mapeia sua pesquisa no Twitter com a hashtag #BackDatWrasseUp). Os bodiões são a segunda maior família de peixes, e Evans está criando modelos tridimensionais de seus esqueletos para testar algumas hipóteses evolutivas.

Toda manhã de segunda-feira, o professor começa seu processo de digitalização dos peixes. Até agora, já escaneou cerca de 200 espécies, com poucas surpresas. Mas, no trabalho do começo desta semana, ele notou que a boca de um bodião estava cheia — parecia que um inseto havia construído seu habitat lá dentro.

Kory Evans, um biólogo evolucionário da Rice University, encontrou um parasita comedor de língua na boca de um bodião que examinou
Foto: Cortesia de Kory Evans

Para Evans, o achado foi bem estranho, porque essa espécie de bodião é vegetariana.

“Esse bicho não deve comer insetos, ele come algas marinhas, então o que está acontecendo aqui?”, pensou.

Um exame mais atento mostrou que o “inseto” era na verdade um piolho comedor de língua, um isópode parasita, que é um tipo de crustáceo.

Os parasitas entram sorrateiramente pelas guelras do peixe, pousam na língua e rompem os vasos sanguíneos da região. O piolho se alimenta desse sangue até que a língua morra — e, na verdade, acaba tomando o seu lugar.

Para o professor, foi uma descoberta chocante.

“Foi meu primeiro escaneamento do dia, então, foi uma loucura”, relatou.

Leia também:
Estudo: combater desmate e tráfico de animais seria meio eficaz contra pandemias
Imagens de satélite revelam novas colônias de pinguins imperadores na Antártica
Eutanásia de animais em caso de Covid-19 é desproporcional, diz veterinário

Muitos fatos desconhecidos

De acordo com o Nova, programa sobre natureza e ciência da emissora norte-americana PBS, o piolho comedor de língua prefere o pargo. Então, o que estava fazendo na boca de um bodião vegetariano?

Evans não tem certeza. Piolhos comedores de língua não são achados comuns em tomografias computadorizadas, e não se sabe o quão comuns são entre os peixes. Este é o primeiro que ele encontrou em um exame desse tipo.

A comunidade de biológos ficou encantada com sua descoberta. “Fiquei surpreso com a quantidade de pessoas que se importaram com a descoberta”, contou Evans.

Um usuário do Twitter fez um até passo a passo de realidade virtual do crânio do bodião, e especialistas em piolhos comedores de língua também o contataram, interessados em seu trabalho.

O pesquisador do Texas disse que pode acabar escrevendo sobre o piolho comedor de língua como um “projeto paralelo” depois que seu projeto maior de digitalização dos crânios de peixes estiver concluído.

Até agora, ele encontrou algumas relações significativas entre dieta e formato da cabeça. Por enquanto, continuará estudando crânios de peixes — e fica esperando que outro piolho apareça.

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês).