Hillary: Faz 4 anos que me dizem que não sabiam quão perigoso Trump era

Candidata democrata derrotada em 2016 relembrou campanha passada e defendeu união democrata em prol de Joe Biden

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
20 de agosto de 2020 às 00:07
A ex-secretária de Estado Hillary Clinton - 19/08/2020
Foto: Democratic National Convention

Uma das principais oradoras da terceira noite da Convenção Nacional Democrata, a ex-secretária de Estado Hillary Clinton rememorou a sua derrota na eleição americana de quatro anos atrás, defendendo uma campanha de comparecimento à eleição com o objetivo de eleger Joe Biden e barrar a vitória de Donald Trump.

"Faz quatro anos que as pessoas dizem para mim: 'Eu não sabia quão perigoso ele era', 'Eu gostaria de voltar atrás e fazer diferente', ou, pior, 'Eu deveria ter votado'. Veja, essa não pode ser uma nova eleição de 'teria', 'poderia', 'deveria'", disse a candidata democrata de 2016.

Nos Estados Unidos, o voto é opcional e a eleição definitiva do presidente é feita por meio de um Colégio Eleitoral, em que estados possuem pesos diferentes. Nessa truncada equação, Hillary Clinton perdeu a eleição de 2016 mesmo tendo tido mais votos que Donald Trump -- e uma das razões apontadas é a falta de engajamento de parte das lideranças do partido.

"Não se esqueçam: Joe e Kamala podem obter 3 milhões de votos a mais e ainda perder. Aprendam comigo", disse a também ex-senadora. "Nós precisamos de números tão acima que Trump não possa querer roubar seu caminho para a vitória."

Desde o início do terceiro dia, os democratas estão informando um número de celular, que responde mensagens de eleitores orientando-os sobre as opções de voto.

"Trump perguntou 'O que nós temos a perder?' Agora nós sabemos. Nossa saúde, nossos empregos, nossa liderança no mundo", disse a democrata, criticando o trabalho do atual presidente durante a pandemia do novo coronavírus. "Eu gostaria que Donald Trump tivesse sido um presidente melhor, porque os Estados Unidos precisam de um presidente melhor do que esse".

Biden e Kamala

Depois de direcionar a primeira parte do seu discurso com as críticas a Trump, Hillary passa a elencar os motivos em favor do candidato democrata Joe Biden e da sua escolhida para a vice-presidência, Kamala Harris.

Ela defendeu o plano de Biden de adotar uma política de maior participação do estado na economia, com ampliação dos programas de atendimento de saúde e de assistência social. 

Assista e leia também:

'Nossa democracia está em jogo agora', diz Obama em convenção democrata

Meghan Markle e Michelle Obama se unem para registrar eleitoras nos EUA

Tratando diretamente dos candidatos, Hillary apresentou Biden e Kamala como pessoas carinhosas com os outros ao seu redor e preparadas para os desafios do pós-pandemia nos EUA. Ela relembrou do apoio que o ex-vice-presidente deu a ela quando a sua mãe faleceu e de como pode retribuir quando Joe Biden perdeu seu filho, Beau Biden, para um câncer cerebral em 2015.

Sobre Kamala, ela enfatizou o fato da senadora pela Califórnia ser a primeira mulher negra a concorrer a vice-presidente na chapa de um dos maiores partidos, tratando do peso que esse fato terá sobre jovens meninas negras nos Estados Unidos.

Voltando a falar sobre a campanha de 2016, Hillary disse prever que Kamala será atacada por ser uma mulher candidata, como ela mesma foi há quatro anos, mas que a postulante a vice "pode lidar com todos eles".