CNN Mundo: a estratégia democrata para vencer as eleições nos EUA

No CNN Mundo desta semana, Christopher Garman, diretor-executivo das Américas do Grupo Eurásia, é o entrevistado de Lourival Sant'Anna

Da CNN, em São Paulo
21 de agosto de 2020 às 05:00

Na semana em que os democratas oficializaram sua chapa nas eleições presidenciais dos EUA, com Joe Biden nomeado candidato a presidente e Kamala Harris como sua vice, o analista de Internacional da CNN, Lourival Sant'Anna, avalia a estratégia do partido para impedir a reeleição de Donald Trump. 

No CNN Mundo desta quinta-feira (20), Christopher Garman, diretor-executivo das Américas do Grupo Eurásia, empresa de consultoria e análise de risco, ajuda a analisar as chances de Biden nas eleições e as mudanças esperadas na política americana no caso de um eventual retorno dos democratas ao poder.

Leia e ouça também:

'Trump fracassou em nos proteger', diz Biden ao aceitar nomeação

América Decide: Kamala Harris ajuda ou atrapalha a eleição de Biden?

Ao escolher Kamala Harris como sua vice, Biden indica uma ênfase na diversidade e valorização do voto das minorias. Isso sugere que a prioridade da estratégia democrata é garantir que todos os eleitores do partido efetivamente votem, ao contrário do que aconteceu em 2016 e foi um importante fator para a derrota de Hillary Clinton.

Diante desse quadro, Lourival Sant'Anna e Christopher Garman discorrem sobre questionamentos muito presentes no momento: os democratas desistiram de ampliar o seu eleitorado para focar em sua mobilização? Quais podem ser as consequências dessa estratégia?

(Edição de Diego Freire)