Advogado da família de George Floyd defenderá homem negro baleado no Wisconsin

Ben Crump representará Jacob Blake, homem negro da cidade de Kenosha, que recebeu 7 tiros nas costas de policiais brancos em abordagem no domingo

Da CNN
24 de agosto de 2020 às 11:52 | Atualizado 24 de agosto de 2020 às 14:18
O advogado norte-americano Ben Crump, que representa a família de George Floyd, informou nesta segunda-feira (24) que defenderá a família de Jacob Blake, homem negro da cidade de Kenosha, no estado de Wisconsin, baleado nas costas por policiais brancos no domingo (23).

Em mensagem publicada no Twitter, Crump afirmou que “buscará Justiça para Jacob Blake e para sua família ao mesmo tempo em que exige respostas do Departamento de Polícia de Kenosha”. 

“Quantas tragédias mais dessas com negros terão que acontecer até que o perfilamento racial e a desvalorização de vidas negras pela polícia finalmente parem?”, questionou.

O advogado chamou de “irresponsável”, “temerária”, e “desumana” a ação dos agentes, afirmou que seu cliente estava “fazendo a coisa certa ao intervir em um incidente doméstico” e considerou um milagre Blake ter sobrevivido.

Ele afirmou que três filhos de Blake estavam dentro do veículo da família no momento do incidente e que testemunharam o pai ser baleado pelos policiais. 

Assista e leia também:

EUA: Wisconsin tem protestos após caso de homem negro baleado por policial

Câmeras em uniformes de policiais registraram abordagem a George Floyd; veja

Proposta para abolir polícia de Minneapolis não será mais votada em novembro

Jacob Blake, homem negro da cidade de Kenosha, no estado de Wisconsin, foi baleado nas costas por policiais brancos
Foto: WDJT

“Eles viram o pai ser baleado por um policial. Ficarão traumatizados para sempre. Não podemos deixar policiais violarem seu dever de nos proteger. Nossa crianças merecem o melhor”, tuitou o advogado.

De acordo com o governador do Wisconsin, o democrata Tony Evers, a vítima está em estado grave e luta por sua vida.

"Jacob Blake foi baleado nas costas várias vezes, em plena luz do dia", disse Evers em um comunicado. "Embora ainda não tenhamos todos os detalhes, o que sabemos com certeza é que ele não é o primeiro homem negro a ser baleado, ferido ou morto impiedosamente nas mãos de responsáveis pela aplicação da lei."

Entenda o caso

Os policiais de Kenosha foram chamados por causa de um incidente doméstico por volta das 17h de domingo (23) – 19h, em Brasília –, segundo informações da corporação. 

Em um vídeo divulgado no domingo por Crump, é possível ver o momento em que um homem negro, identificado como Blake, dá a volta em um veículo SUV cinza enquanto é seguido por dois policiais, um deles apontando uma arma para suas costas.

Quando o homem negro entra no veículo pelo lado do motorista, o policial mais próximo o agarra pela camiseta e dispara sete vezes contra as costas dele. O homem parece perder a consciência e cair sobre a buzina do veículo. Uma mulher que observava a ação na rua pula de forma desesperada.

Em um tuíte, Crump afirmou que o homem estava deixando o local depois de “separar uma briga entre duas mulheres”.

A polícia afirmou que foi chamada para lidar com uma situação de distúrbio doméstico, mas não esclareceu quem fez a ligação para a emergência ou o que aconteceu antes do início da gravação do vídeo.

Assista e leia também:

'Nossa democracia está em jogo agora', diz Obama em convenção democrata

Jogadores da NBA protestam contra injustiça racial na retomada da liga

Pelas imagens, não é possível ter certeza se o segundo policial que participava da ação também disparou contra Blake – ele estava com a arma em mãos no momento dos tiros.

A polícia de Kenosha informou que os dois agentes envolvidos na abordagem foram colocados em licença nesta segunda-feira, "enquanto as autoridades estaduais investigam por que um homem negro foi baleado ao entrar em um SUV”.

"A divisão de investigação criminal do Departamento de Justiça de Wisconsin continua revisando as evidências e determinando os fatos deste incidente e entregará os relatórios de investigação a um promotor após uma investigação completa e minuciosa", disse o comunicado das autoridades locais. Os policiais não tiveram seus nomes revelados.

Protestos contra a polícia

Após a divulgação das imagens nas redes sociais – o vídeo publicado por Crump teve mais de 700 mil visualizações em poucas horas –, centenas de pessoas foram até o local do incidente protestar contra a polícia, o que fez as autoridades locais instituírem um toque de recolher até as 7h desta segunda (9h, no horário de Brasília).

Os manifestantes quebraram janelas durante a noite, fizeram pichações em um prédio administrativo do condado de Kenosha e incendiaram veículos em uma concessionária de automóveis próxima, de acordo com a WISN, afiliada da CNN

Houve um princípio de incêndio em um tribunal do condado e policiais com equipamentos táticos formaram uma linha para proteger um prédio de segurança pública, informou a polícia do condado. Kenosha fica a cerca de 40 minutos ao sul de Milwaukee, cidade mais populosa de Wisconsin.

O caso foi registrado em meio à recente onda de protestos nos EUA contra a violência policial contra negros, incluindo os assassinatos recentes de George Floyd e Breonna Taylor. 

Na noite anterior ao caso de Blake, protestos foram registrados em Lafayette, na Louisiana, depois que a polícia matou um homem negro – Trayford Pellerin, de 31 anos – em frente a uma loja de conveniência.

(Com informações de Alta Spells e Eliott C. McLaughlin, da CNN)