Autor de ataques a mesquitas na Nova Zelândia é condenado a prisão perpétua


Praveen Menon e Jonathan Barrett, da Reuters
27 de agosto de 2020 às 03:24 | Atualizado 27 de agosto de 2020 às 03:25
Brenton Tarrant em Corte neozelandesa

Brenton Tarrant em Corte neozelandesa

Foto: TVNZ/ Reprodução

Um tribunal da Nova Zelândia sentenciou o supremacista branco Brenton Tarrant à prisão perpétua sem liberdade condicional na quinta-feira por matar 51 muçulmanos no massacre de Christchurch, em 2019. 

Foi a primeira vez que um tribunal da Nova Zelândia condenou uma pessoa a uma prisão perpétua.

Tarrant, um australiano de 29 anos, admitiu 51 acusações de homicídio, 40 de tentativa de homicídio e uma acusação de cometer um ato terrorista durante o tiroteio de 2019 em duas mesquitas de Christchurch, transmitidas por ele no Facebook.

Leia também:
Jovem é preso suspeito de participar de tiroteio em protesto em Wisconsin

O juiz da Suprema Corte, Cameron Mander, disse em Christchurch na quinta-feira que uma pena finita não seria suficiente pela gravide dos crimes.

"Seus crimes, no entanto, são tão perversos que mesmo se você for detido até morrer, isso não esgotará os requisitos de punição e denúncia", disse Mander ao proferir a sentença.

"Pelo que posso avaliar, você está vazio de qualquer empatia por suas vítimas", disse ele.

O juiz perguntou a Tarrant antes de proferir a sentença se ele tinha algum comentário. Vestido com roupas cinza de prisão e cercado por guardas, Tarrant assentiu quando questionado se sabia que tinha o direito de fazer submissões, mas não falou.

Os promotores disseram ao tribunal anteriormente que Tarrant queria instilar medo naqueles que descreveu como invasores e que planejou cuidadosamente os ataques para causar o máximo de carnificina.

"Hoje os procedimentos legais para este crime hediondo foram cumpridos. Nenhuma punição trará nossos entes queridos de volta", disse Gamal Fouda, o imã da mesquita Al Noor, um dos alvos do atirador.

“Extremistas são todos iguais. Quer usem religião, nacionalismo ou qualquer outra ideologia. Todos extremistas, eles representam o ódio. Mas nós estamos aqui hoje. Respeitamos o amor, a compaixão, os muçulmanos e não muçulmanos de fé e sem fé. "

Tarrant, que se representou durante as audiências, mas não apresentou declarações, disse por meio de um advogado no tribunal na quinta-feira que não se opôs ao pedido da promotoria para uma vida sem sentença de liberdade condicional.

"O ódio que está no cerne de sua hostilidade para com membros específicos da comunidade que você veio a este país para assassinar não tem lugar aqui - não tem lugar em lugar nenhum", disse Mander.

A primeira-ministra Jacinda Ardern disse estar aliviada que "essa pessoa nunca verá a luz do dia".