O que se sabe sobre a saúde de Shinzo Abe, que anunciou renúncia no Japão


Elaine Lies, da Reuters
28 de agosto de 2020 às 06:19 | Atualizado 28 de agosto de 2020 às 08:33
Primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe

Shinzo Abe, premiê do Japão, renunciou ao cargo por motivos de saúde

Foto: Franck Robichon - 07.abr.2020/ Reuters

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, anunciou nesta sexta-feira (28) que renuncia a seu cargo, em meio a problemas de saúde. Abe tem lutado contra a colite ulcerosa há anos e, recentemente, fez duas visitas em uma semana a um hospital.

A procura de ajuda médica levantou questões sobre se ele poderia permanecer no cargo até setembro de 2021, quando estava previsto o final de seu mandato como líder do partido no poder - e, portanto, como primeiro-ministro.

Abe luta há anos contra a doença e uma crise em 2007 fez com que renunciasse ao cargo de premiê pela primeira vez.

Assista e leia também:

Com problemas de saúde, premiê japonês Shinzo Abe anuncia renúncia ao cargo

Vídeo do premiê Shinzo Abe em casa ‘relaxando’ viraliza nas redes sociais

O que é a colite ulcerosa?

A colite ulcerosa é uma doença inflamatória intestinal que pode causar úlceras no revestimento do cólon e reto. Os sintomas incluem diarreia, cólicas abdominais, perda de peso e fadiga.

A causa é desconhecida, mas acredita-se que pode ter ligação tanto com origens hereditárias quanto disfunções que fazem o sistema imunológico atacar as células do trato digestivo. Uma dieta ruim e o estresse podem agravar a condição.

Complicações com a doença podem incluir aumento do risco de câncer de cólon, coágulos nos vasos sanguíneos e cólon perfurado.

Qual é o tratamento?

A colite ulcerosa é incurável. Embora os casos moderados a graves sejam tratados com corticosteroides, este não é um tratamento de longo prazo, pois os efeitos colaterais podem incluir perda óssea, hipertensão e ganho de peso.

Um tipo de medicamento chamado ácido 5-aminossalicílico é o tratamento padrão, além do remédio Asacol, que Abe disse que ter começado a tomar em 2009, quando foi aprovado no Japão. O medicamento já estava disponível no exterior antes disso.

“Se este medicamento Asacol demorasse mais para aparecer no mercado no Japão, é bem possível que eu não estivesse onde estou hoje”, disse Abe em um discurso de 2013.

"Por isso mesmo, considero meu papel e meu destino restaurar e enriquecer a vida de pacientes que sofrem de doenças intratáveis."

Os efeitos colaterais do medicamento, também conhecido como mesalamina, podem incluir náuseas, dores de cabeça ou vômitos. Raramente, pode piorar os sintomas da colite ulcerosa.

Outros tratamentos incluem medicamentos imunossupressores que requerem supervisão cuidadosa e geralmente são usados apenas se os pacientes não respondem a outros tratamentos. O tratamento mais drástico é a remoção cirúrgica do cólon.

Como a doença afeta a qualidade de vida?

Se mantida sob controle, a colite ulcerosa tem impacto mínimo nas atividades diárias entre os surtos, que podem ser causados por estresse.

Alguns pacientes fazem colonoscopias frequentes, como a cada seis meses, para verificar se há câncer. Abe passa por um exame físico completo duas vezes por ano.

Em 2017, Abe disse que seu tratamento estava aumentando seu apetite, acrescentando: "Agora devo me preocupar com questões que antes pensava não ter nenhuma relação comigo, incluindo ganho de gordura visceral, preocupação com gordura corporal e meu nível de colesterol. Cheguei ao limite máximo em testes para cada um desses problemas. "