Em 1ª audiência pública desde março, papa Francisco faz apelo por povo do Líbano


Da CNN
02 de setembro de 2020 às 09:45 | Atualizado 02 de setembro de 2020 às 09:48
Papa Francisco na primeira audiência pública desde março

Papa Francisco na primeira audiência pública desde março

Foto: Guglielmo Mangiapane - 02.set.220 / Reuters

O papa Francisco realizou nesta quarta-feira (2) a primeira audiência pública desde o início das restrições impostas pela pandemia de Covid-19. Ele usou a ocasião para se dirigir ao público do Líbano, um mês após a explosão no porto de Beirute que matou mais de 160 pessoas.

Cerca de 500 fiéis compareceram ao pátio de San Damaso, no Palácio Apostólico do Vaticano. Quase todos usavam máscaras e mantinham o distanciamento social em lugares demarcados. No entanto, muitos quebraram alguns desses protocolos quando Francisco caminhou próximo a eles.

Desde março, o pontífice vinha realizando as audiências virtualmente da biblioteca oficial papal, transmitidas pela internet ou televisão.

Assista e leia também:
Papa Francisco doa equipamentos médicos para combate à Covid-19 no Brasil
Hospital do RS recebe doação de equipamentos após pedido do papa Francisco
Papa pede que se pare de ‘instrumentalizar’ religião para incitar ódio

Cerca de 500 fiéis compareceram à audiência pública do papa Francisco

Cerca de 500 fiéis compareceram ao evento; quase todos usavam máscaras e mantinham o distanciamento social em lugares demarcados

Foto: Imprensa do Vaticano - 02.set.2020 / via Reuters

“Após as repetidas tragédias que as pessoas do Líbano já conhecem, soubemos do perigo extremo que ameaça a própria existência do país. O Líbano não pode ser abandonado”, afirmou o papa. Ele pediu que políticos, líderes religiosos e a comunidade internacional se comprometam, “com sinceridade e transparência”, com a reconstrução do país.

Ele também pediu solidariedade em meio à batalha contra a Covid-19. “A pandemia atual tem ressaltado nossa interdependência: estamos todos ligados uns aos outros, para o bem ou para o mal. Com isso, para sair desta crise melhores que antes, precisamos fazê-lo juntos, todos nós, em solidariedade”, afirmou.

Francisco também anunciou que esta sexta-feira (4) será um dia de oração e jejum pelo Líbano, e que enviou o seu secretário de estado, o cardeal Pietro Parolin, a Beirute para representá-lo na data. O pontífice ainda convidou membros de outras religiões para participar da celebração.

(Com informações de Hada Messia, da CNN, em Londres, e Sharon Braithwaite, da CNN, em Londres, e Reuters)