Tribunal saudita condena 8 pessoas pelo assassinato do jornalista Jamal Khashogg

Da CNN, em São Paulo
07 de setembro de 2020 às 16:51

O jornalista saudita Jamal Khashoggi
Foto: CNN

Oito pessoas foram condenadas, nesta segunda (07), pelo assassinato do jornalista, em outubro de 2018. A informação é do canal de TV estatal Al Ekhbariya. Segundo a rede de notícias do governo, cinco pessoas foram condenadas a diferentes penas de prisão, sendo uma condenada a cumprir 20 anos, uma a 10 anos e duas a sete anos. Os nomes dos condenados não foram divulgados. 

Jamal Khashoggi era um jornalista saudita residente nos Estados Unidos. Crítico do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, ele foi visto pela última vez no consulado da Arábia Saudita em Istambul, no dia 2 de outubro de 2018.

No dia do casamento, o jornalista foi até o local para buscar os documentos necessários para concluir a cerimônia. No entanto, ele nunca deixou o prédio. Segundo a Reuters, o corpo do jornalista foi supostamente desmembrado e removido do consulado. Os restos mortais de Kamal Kashoggi não foram encontrados.

Família perdoa os acusados

O tribunal saudita condenou anteriormente os cinco indivíduos à morte e três à prisão pela morte de Khashoggi. De acordo com a decisão, o assassinato não foi premeditado e sim executado "no calor do momento", o que contraria a visão da CIA de que o príncipe Mohammed bin Salman teria ordenado a execução. 

Em maio, a família do jornalista disse que perdoou os acusados. Isso levou a Justiça da Arábia Saudita a suspender a execução e prorrogar o julgamento dos réus. 

(Fabricio Julião, sob supervisão de Giovana Bronze) 

*Com informações da Reuters