Papa repudia busca de ganhos políticos e econômicos com o coronavírus

O pontífice comentou atitudes de empresas e governos durante a pandemia

Philip Pullella da Reuters
09 de setembro de 2020 às 11:20

Papa Francisco em audiência pública

Foto: Guglielmo Mangiapane - 02.set.220 / Reuters

O papa Francisco disse nesta quarta-feira (9) que ninguém deveria buscar ganhos políticos e econômicos com a pandemia do novo coronavírus e que os desenvolvedores de vacinas não deveriam vê-las somente como um empreendimento visando o lucro.

Francisco disse aos visitantes em sua audiência geral semanal -- a segunda com participação do público depois de seis meses de audiências virtuais -- que a pandemia deveria estimular todos a trabalharem pelo bem comum.

"Infelizmente, estamos testemunhando a emergência de interesses de classe. Por exemplo, há aqueles que querem se apropriar de soluções possíveis para si mesmos, como (desenvolver) vacinas e depois vendê-las a outros", disse.

"Alguns estão se aproveitando da situação para fomentar divisões, para criar vantagens econômicas ou políticas, para iniciar ou intensificar conflitos", disse ele, sem especificar.

A pandemia e a busca por uma vacina se tornaram temas impactantes na campanha eleitoral para a Presidência dos Estados Unidos entre Donald Trump e Joe Biden.

Trump quer o desenvolvimento rápido de uma vacina, que disse estar chegando "muito, muito em breve". O vírus já matou mais de 186 mil norte-americanos e tirou o emprego de milhões.

Leia também e ouça também:
Papa diz que fofoca é peste pior do que coronavírus
América Decide: Os alvos das estratégias de campanhas de Trump e Biden
Equipe econômica diz que pausa em testes da vacina de Oxford é algo ‘comum’

Biden acusa Trump de estar politizando a questão para impulsionar sua reeleição e pediu que as vacinas sejam produzidas e distribuídas seguindo os padrões científicos estabelecidos e sem interferência política externa.

O papa qualificou as pessoas que dão as costas ao sofrimento que o coronavírus causou de "devotos de Pôncio Pilatos, que simplesmente lavam as mãos", referindo-se ao antigo governador romano da Judeia que ordenou a crucificação de Jesus, mas se recusou a assumir a responsabilidade por ela.

Francisco disse que, embora "políticos muitas vezes não tenham uma boa reputação", houve muitos no decorrer da história "que foram santos" -- mas não os identificou.

A audiência foi realizada no pátio San Damaso do Vaticano diante de cerca de 500 pessoas. Dezenas de milhares costumam lotar seu local tradicional, a Praça São Pedro.

O papa pediu às pessoas que permanecessem em suas cadeiras e mantivessem o distanciamento social.