Mundo perdeu 68% dos animais selvagens desde 1970, diz WWF


Henrique Andrade*, da CNN, em São Paulo
10 de setembro de 2020 às 12:27

 

mata atlântica, desmatamento

Desmatamento é uma das principais causas da extinção de vertebrados

Foto: Divulgação/SOS Mata Atlântica

Relatório publicado nesta quarta-feira (9) pela WWF - World Wide Fund for Nature (Fundo Mundial pela Natureza, em tradução livre) traz um panorama alarmante da vida selvagem no planeta. Entre 1970 e 2016, o mundo perdeu cerca de 68% da população de animais selvagens.

O documento indica que a situação é ainda pior na América Latina e no Caribe, onde a perda de população animal chega a 94%. Segundo a WWF, o impacto na região é causado principalmente pela superexploração de espécies, aquecimento global e a destruição de pastagens e florestas. Os peixes, répteis e anfíbios foram as classes de vertebrados mais afetadas.

Leia mais:
Volume de queimadas no Pantanal em 2020 equivale à destruição dos últimos 6 anos
E tem mais:O Pantanal em chamas: 12% do bioma já foi destruído pelo fogo

A organização afirma que a humanidade está acabando com a diversidade ambiental em favor da produção de comida em áreas biológicas importantes. A WWF destaca o cerrado brasileiro como um exemplo dessa exploração como "uma área com rica diversidade e importante fonte de água, [que] foi destruída pela metade para favorecer a pecuária e produção de soja".

Já a África sofreu perda de 65% dos animais selvagens, segundo pior índice em todo o mundo. O documento aponta que, apesar de ser a única região com quantidade significativa de grandes mamíferos, espécies invasivas e a superexploração apresentaram os maiores impactos no continente.

"Este relatório aponta como o aumento da destruição da natureza pela humanidade está tendo impactos catástrofes, não apenas nas populações de vida selvagem, mas também na saúde humana e todos os aspectos de nossas vidas ", disse o diretor-geral da organização, Marco Lambertini.

(*sob supervisão de Julyanne Jucá)