Apesar de pressão internacional, lutador de 27 anos é morto pelo governo do Irã


Artemis Moshtaghian, Ramin Mostaghim e Ivana Kottasová, da CNN
12 de setembro de 2020 às 12:05
Navid

Lutador teria sido torturado para confessar um crime que não cometeu

Foto: Reprodução/Twitter/Nações Unidas

O lutador iraniano Navid Afkari foi executado neste sábado (12), segundo informações da mídia estatal IRNA, apesar de uma grande campanha internacional ter tentado evitar que a sentença fosse aplicada.

Afkari tinha 27 anos e foi executado em uma prisão de Shiraz, de acordo com a agência. Ele havia sido sentenciado à morte após ser acusado de participar do assassinato de Hasan Turkman, um agente de segurança do governo, durante manifestações em 2018.

Porta-voz do judiciário do Irã, Gholam Hossein Esmaeili teria dito jornal Hamshari, de Tehran, que o lutador foi sentenciado ao veredito islâmico de ghesas, ou retribuição equivalente.

De acordo com o veículo, Esmaeili disse que Afkari foi ordenado a pagar uma restituição à família da vítima e, caso não conseguisse, receberia pena de morte. Isso porque o caso já havia sido revisto pelo Supremo Tribunal do país e que o lutador havia confessado que realizou o crime. 

Leia também
Atletas pedem Irã fora de competições caso lutador seja executado
Cerimônias nos EUA lembram os 19 anos dos ataques de 11 de Setembro

A agência IRNA reportou no sábado (11) que o homem foi executado depois da família da vítima não aceitar seu pedido de desculpas e não autorizar que ele pagasse uma restituição monetária.

O advogado de Afkari, Hassan Younesi, disse à CNN que filantropos foram até Shiraz para tentar levantar dinheiro para pagar a recompensa, mas era tarde demais – o judiciário informou à família que a sentença já havia sido aplicada e que eles não tinham direito de se despedir. 

“Navid foi um dos milhares de iranianos que participaram de manifestações contra a miséria e a repressão política no Irã”, disse a World Players Association (WPA) em nota. “Ele foi injustamente visado pelas autoridades que queriam fazer exemplo de um atleta popular e bem-sucedido para intimidar outros que poderiam ousar exercer seu direito humano de participar em protestos pacíficos.” 

A WPA disse ainda que o lutador foi “sentenciado à pena de morte duas vezes após ser torturado até fazer uma falsa confissão”. 

Sobre os protestos, Esmaeili disse que a campanha que queria barrar a execução fez com que o judiciário divulgasse uma confissão do crime em vídeo e reconstituições do crime atuadas pelo próprio lutador para a TV estatal IRIB. 

O caso chamou atenção para além do círculo esportivo. Anistia Internacional e Human Rights Watch pediram intervenção internacional e um novo julgamento. 

Donald Trump também pediu que os líderes iranianos poupassem a vida de Afkari. “Fiquei sabendo que o Iran pode executar um grande e popular wrestler, Navid Afkari, por manifestar contra o governo nas ruas”, tuitou. “Aos líderes do Iran, ficaria muito grato se vocês poupassem a vida deste jovem. Obrigado.”