Paris fecha bares e está em alerta máximo após alta em casos de Covid-19


Reuters
04 de outubro de 2020 às 18:44
Chefe de restaurante em Paris conversa com clientes

Chefe de restaurante em Paris conversa com clientes

Foto: Charles Platiau/Reuters (15.jun.2020)

Paris será colocada no alerta máximo para Covid-19, o que significa que os bares serão forçados a fechar por duas semanas e restaurantes deverão implementar novos protocolos sanitários para continuarem abertos, disse o gabinete do primeiro-ministro Jean Castex neste domingo (4). 

O órgão disse que não houve melhora na região de Paris desde que a capital atingiu todos os três critérios do governo para ser posta no mais alto nível de alerta no meio da semana passada. 

O trabalho remoto deverá ser priorizado "agora, mais do que nunca" na área parisiense e salas de universidades não poderão ter mais que a metade da capacidade, continuou o gabinete de Castex em comunicado. 

As restrições reforçadas entrarão em vigor na terça-feira (6). 

Leia também:

Paris estuda adotar novo lockdown após alta nas infecções por Covid-19

Madri é primeira capital europeia a retomar lockdown para conter alta nos casos de Covid-19

"Essas medidas, indispensáveis na luta para frear a transmissão do vírus, vão se aplicar a Paris e aos três departamentos [divisão administrativa francesa] que fazem fronteira direta, pela duração de duas semanas", disse a nota.

Para que uma cidade entre no alerta máximo, a taxa de incidência deve ultrapassar 100 infecções a cada 100 mil entre os habitantes idosos e 250 por 100 mil entre o público geral. Ao menos 30% dos leitos de UTI são reservados para pacientes da Covid-19. 

Uma semana atrás, restaurantes e bares foram fechados por 15 dias em Marselha, a cidade no sul do país que é o epicentro dessa segunda onda, o que gerou protestos e um recurso legal que não teve sucesso. 

Restaurantes marselheses poderão reabrir antes se seguirem os mesmos novos protocolos. 

Neste domingo, a França reportou 12.565 novos casos de Covid-19 e 893 pacientes com a doença foram admitidos na UTI na última semana.