Entenda o que são os prêmios Nobel, como surgiram e o que os premiados ganham


Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
05 de outubro de 2020 às 10:30
Busto de bronze de Alfred Nobel, em Estocolmo

Busto de bronze de Alfred Nobel, em Estocolmo

Foto: Claudio Bresciani - 10.dez.2019 / TT News Agency via Reuters

O prêmio Nobel é um reconhecimento internacional concedido anualmente por conquistas nas áreas de física, química, medicina, literatura, economia e paz. 

O químico, engenheiro e industrial sueco Alfred Nobel foi inventor da dinamite e dono de 355 patentes. Ele criou um fundo em 1895 que concederia parte da fortuna dele às pessoas que prestaram serviços à humanidade. 

Nobel morreu em 1896, aos 63 anos, na Itália. No testamento, ele deixou 31 milhões de coroas suecas (o equivalente hoje a cerca de 265 milhões de dólares) para o fundo, que deveriam ser divididas em cinco partes (física, química, medicina, literatura e paz). A categoria de economia passou a fazer parte da premiação somente em 1968.

Assista e leia também:
Nobel de Medicina: veja algumas curiosidades da premiação
Nobel de Medicina 2020 vai para médicos que descobriram vírus da hepatite C
Jacinda Ardern, Alexei Navalny, OMS: a lista diversa para o Nobel da Paz 2020

De 1901 a 2019, 597 prêmios foram entregues a 953 pessoas e 27 organizações. Entre 1939 e 1943, durante a Segunda Guerra Mundial, não houve entrega do Nobel da Paz. Dentre todas as medalhas de honra, somente 54 foram entregues a mulheres.

O Nobel de Paz de 2019 foi concedido ao primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, pelo papel dele no fim da guerra de 20 anos entre o país e a Eritreia. No ano anterior, Denis Mukwege, do Congo, e Nadia Murad, do Iraque, foram homenageados pelos esforços para colocar um fim no uso da violência sexual como arma de guerra e conflito armado.

O que os premiados recebem

A Comissão do Nobel mantém os nomes dos indicados aos prêmios em segredo por 50 anos até torná-los públicos. O laureado ganha uma medalha, um diploma e um prêmio em dinheiro. O valor deste variou ao longo do tempo, começando em 150 mil coroas suecas e chegando a 1 milhão em 1981. Atualmente, é de 10 milhões de coroas suecas (cerca de 1,1 milhão de dólares).

Todos os ganhadores são anunciados meses antes da entrega oficial do prêmio, que acontece sempre no dia 10 de dezembro – data da morte de Alfred Nobel.

Em maio de 2018, a Fundação Nobel anunciou a decisão de prorrogar o Nobel de Literatura. O motivo foi um escândalo de conduta sexual inapropriada dentro da Academia Sueca. A homenagem foi concedida somente no ano seguinte.

Os prêmios Nobel de Medicina, Física, Química, Literatura e Economia são entregues em uma cerimônia realizada em Estocolmo, na Suécia. Já o da Paz tem um evento a parte em Oslo, na Noruega. 

O número de ganhadores é limitado a três por categoria, e as pessoas precisam estar vivas para serem indicadas. Se morrerem durante o período de avaliação, são eliminadas. O prêmio póstumo é concedido somente quando o ganhador ou ganhadora morre entre o momento do anúncio e a cerimônia de premiação.

Curiosidades

A pessoa mais jovem a ganhar um prêmio até hoje foi a paquistanesa Malala Yousafzai, aos 17 anos, que recebeu um Nobel da Paz “pela luta contra a supressão de crianças e jovens e pelos direitos de todas as crianças à educação”.

Já o mais velho foi o alemão John B. Goodenough, que ganhou o Nobel de Química em 2019, aos 97 anos, pelo desenvolvimento das baterias de íon-lítio.

Duas pessoas chegaram a recusar a honra. O escritor francês Jean-Paul Sartre, premiado em 1964 na categoria Literatura, declinou o prêmio pois recusava todas as honras oficiais que recebia. 

Em 1973, o político vietnamita Le Duc Tho foi premiado junto ao então secretário de estado dos EUA, Henry Kissinger, pela negociação do acordo de paz com o Vietnã. Tho disse que não estava em posição de aceitar a honra em função da situação no país dele.

Três pessoas estavam presas quando foram premiadas, todas com o Nobel da Paz: o jornalista e pacifista alemão Carl von Ossietzky, a política birmanesa Aung San Suu Kyi e o ativista dos direitos humanos chinês Liu Xiaobo.

(Com informações da CNN, em Atlanta)