Igreja da Inglaterra falhou em proteger crianças de abuso sexual, diz inquérito

Organização independente apurou que 390 pessoas ligadas ao clero foram condenadas por crimes sexuais entre 1940 e 2018

Henrique Andrade*, da CNN
06 de outubro de 2020 às 17:55
Missa
Missa
Foto: Divulgação/Church of England

"A Igreja da Inglaterra falhou em proteger crianças e jovens de predadores sexuais da própria instituição". Assim começa o relatório divulgado nesta terça-feira (6) pela Investigação Independente sobre Abuso Sexual Infantil.

Segundo a organização, entre 1940 e 2018, 390 pessoas do clero ou de posições de confiança relacionadas à instituição foram condenadas por crimes sexuais contra crianças.

Leia também:

Ex-número 3 do Vaticano, George Pell tem condenação por abuso sexual anulada

"Muitos desses casos demonstram o fracasso da Igreja da Inglaterra em levar o abuso a sério, criando uma cultura onde abusadores conseguiam se esconder", afirma o relatório. O inquérito indica que os perpretadores recebiam apoio maior do que as próprias vítimas, que enfrentavam barreiras para relatar os casos. 

O inquérito destaca o caso do Reverendo Ian Hughes, condenado em 2014 por baixar 8 mil "imagens indecentes" de menores. Hughes foi defendido pelo bispo Peter Forster, que sugeriu que o reverendo foi "induzido erroneamente a ver pornografia infantil".

"Os bispos da Igreja da Inglaterra devem ser privados de sua responsbailidade de manter crianças seguras de abuxo sexual", concluiu o inquérito. Alexis Jay, presidente da organização, disse que "para garantir que as ações corretas sejam tomadas no futuro, é essencial que a importância de proteger crianças seja continuamente reforçada".

Em comunicado, a Igreja da Inglaterra "expressa vergonha pelos eventos que tornaram nossas desculpas necessárias". "Em resposta, nosso foco principal deve ser reconhecer a angústia causada às vítimas e sobreviventes pelas falhas da Igreja na proteção", afirma a instituição.

*Sob supervisão de Evelyne Lorenzetti