Com escalada no conflito entre Armênia e Azerbaijão, Irã teme guerra regional


Da CNN
07 de outubro de 2020 às 08:32
Moradores de Stepanakert, no Azerbaijão, caminham em meio a escombros

Moradores de Stepanakert, no Azerbaijão, caminham em meio a escombros deixados por conflito com Armênia

Foto: Reprodução - 07.nov.2020 / Reuters

O presidente do Irã, Hassan Rouhani, alertou nesta quarta-feira (7) que o conflito entre o Azerbaijão e os armênios étnicos no Cáucaso Sul pode desencadear uma guerra regional. O número de mortos aumentou nesta manhã, 11º dia de hostilidades.

Em uma reunião de gabinete, Rouhani disse que é “totalmente inaceitável” que qualquer bomba de morteiro ou míssil caia em solo iraniano. A declaração foi feita depois que a imprensa do país informou que bombas perdidas do conflito em Nagorno-Karabakh caíram em vilarejos próximos à fronteira noroeste do Irã, ferindo uma criança e danificando prédios.

“Precisamos estar atentos para que uma guerra entre Armênia e Azerbaijão não se torne uma guerra regional. A paz é a base do nosso trabalho e esperamos restaurar a estabilidade na região de forma pacífica”, afirmou Rouhani. “Nossa prioridade é a segurança de nossas cidades e vilarejos.”

Assista e leia também:
Entenda por que Azerbaijão e Armênia estão em conflito em Nagorno-Karabakh
Azerbaijão diz que forças armênias bombardearam mais uma cidade do país
EUA, França e Rússia pedem cessar-fogo no conflito entre Armênia e Azerbaijão

O mandatário disse também que o Irã, que faz fronteira com Armênia e Azerbaijão, não vai permitir que estados “enviem terroristas para nossas fronteiras sob variados pretextos”.

Os comentários foram feitos após acusações de alguns países, como a França, de que a Turquia enviou jihadistas sírios à região. Os turcos, aliados dos azeris e apoiadores dos rebeldes que combatem as forças do governo sírio, negam.

Mais de 300 mortos

O conflito entre Armênia e Azerbaijão começou no dia 27 de setembro em Nagorno-Karabakh – que segue as leis azeris, mas é populada e governada pelos armênios étnicos. Até o momento, mais de 300 pessoas morreram na região e proximidades.

Em um novo pedido por cessar-fogo, o presidente russo, Vladimir Putin, disse em uma entrevista televisionada que os eventos são uma tragédia e Moscou está profundamente preocupado.

Serguei Naryshkin, líder do Serviço de Inteligência Estrangeira SVR da Rússia, afirmou nessa terça que o conflito estava atraindo pessoas que ele descreveu como mercenários e terroristas do Oriente Médio. Para Naryshkin, Nagorno-Karabakh pode se tornar uma plataforma para militantes islâmicos entrarem na Rússia e outros países na região.

Já o primeiro-ministro armênio, Nikol Pashinyan, disse nesta quarta que as ações da Turquia e Azerbaijão durante o conflito correspondem a um “ataque terrorista”. “Para mim, não há dúvida de que isso é uma política para continuar com o genocídio armênio e reinstaurar o império turco.”

(Com Reuters)