Comissão oficial cancela segundo debate entre Trump e Biden


Da CNN, em São Paulo
09 de outubro de 2020 às 19:24 | Atualizado 09 de outubro de 2020 às 20:03
Trump e Biden no primeiro debate entre candidatos à presidência

Trump e Biden ficaram a 3,8 metros de distância um do outro no primeiro debate entre candidatos à presidência

Foto: Jonathan Ernst - 29.set.2020 / Reuters

A Comissão de Debates Presidenciais dos Estados Unidos cancelou o segundo debate entre os candidatos Donald Trump e Joe Biden, que seria realizado na próxima quinta-feira (15), após divergências derivadas do diagnóstico positivo do presidente para a Covid-19.

Donald Trump se recusou a fazer um debate virtual, apesar das preocupações com seu diagnóstico de Covid-19, disse uma fonte familiarizada com os planos à CNN.

O cancelamento é o culminar de um furioso vaivém de 48 horas entre a comissão e as duas campanhas. Com isso, o que seria o terceiro o debate, previsto para 22 de outubro em Nashville, provavelmente será o último encontro entre os presidenciáveis.

Assista e leia também:

Com Covid-19, Trump organiza evento na Casa Branca neste sábado (10)

Debates virtuais não são novidade: veja como Kennedy e Nixon fizeram em 1960

Covid-19 e Trump dominam debate entre candidatos à vice-presidência dos EUA

A campanha de Trump, após recusar o debate virtual, propôs que o segundo debate acontecesse no dia 22 e o terceiro fosse transferido para o dia 29, apenas três dias antes das eleições.

Biden rejeitou a proposta. "Donald Trump não faz o calendário das eleições, a comissão faz", disse a porta-voz do democrata, Kate Bedingfield. 

"Não há nenhuma razão médica para a Comissão de Debates Presidenciais transferir o debate para um evento virtual, adiá-lo  ou alterá-lo de qualquer forma", rebateu Bill Stepien, coordenador da campanha republicana.

Donald Trump testou positivo para a Covid-19 na semana passada e chegou a ficar internado em um hospital militar entre sexta-feira e a segunda-feira desta semana. O cancelamento do debate é visto como uma derrota para o atual presidente, que está atrás de Biden nas pesquisas nacionais.

(Com informações de Dan Merica e Kevin Bohn, CNN)