Presidente do Quirguistão renuncia após pressão: ‘Não quero atirar nos cidadãos’

Sooronbai Jeenbekov justificou a decisão dizendo que queria evitar confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes que pedem a saída dele do cargo

Da CNN
15 de outubro de 2020 às 08:39
Sooronbai Jeenbekov justificou a decisão de renunciar dizendo que queria evitar confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes
Foto: Sultan Dosaliev - 04.out.2020 / Serviço de Imprensa da Presidência do Quirguistão via Reuters

O presidente do Quirguistão, Sooronbai Jeenbekov, renunciou nesta quinta-feira (15) após três dias de agitações no país em razão de uma disputada eleição. O mandatário justificou a decisão dizendo que queria evitar confrontos entre as forças de segurança e os manifestantes que pedem a saída dele do cargo.

Com isso, Jeenbekov é o terceiro presidente da pequena nação da Ásia Central a ser derrubado por uma revolta popular.

O Quirguistão, aliado da Rússia que faz fronteira com a China, vive dias turbulentos desde as eleições parlamentares de 4 de outubro – rejeitadas pela oposição, que as considerou fraudulentas, depois que os aliados de Jeenbekov foram declarados os vencedores.

Assista e leia também:
Manifestantes invadem parlamento do Quirguistão e libertam ex-presidente
Tailândia emite decreto de emergência para reprimir protestos contra o governo

Em um comunicado, o presidente afirmou que teme que possa haver violência se os manifestantes ameaçarem marchar no complexo presidencial.

“As forças militares e de segurança serão obrigadas a usar as armas para proteger a residência do estado. Sangue será inevitavelmente derramado. Peço aos dois lados que não caiam em provocações”, disse Jeenbekov. “Não quero entrar para a história do Quirguistão como um presidente que derramou sangue e atirou nos próprios cidadãos.”

Nessa quarta (14), ele aceitou a escolha do Parlamento de Sadyr Japarov, um nacionalista cujos partidários o libertaram da prisão na semana passada, como primeiro-ministro. Japarov e apoiadores pediam a renúncia do mandatário.

Pressão para renunciar

Após a eleição, manifestantes opositores tomaram ruas e edifícios do governo, levando as autoridades a anular o pleito. Na semana passada, Jeenbekov anunciou que planejava renunciar, mas não disse quando. 

Nesta semana, ele afirmou que ficaria no cargo até a realização de uma nova eleição. Contudo, os apoiadores de Japarov rejeitaram essa opção e o pressionaram para renunciar imediatamente.

Com a saída de Jeenbekov, o presidente do Parlamento, Kanatbek Isayev, é quem vai assumir as funções presidenciais. Caso ele também renuncie – como também pedem os manifestantes –, os poderes serão passados a Japarov.

O Quirguistão conta com uma base militar russa e uma grande mina de ouro de posse do Canadá. O país se tornou independente após o fim da União Soviética, em 1991. O primeiro presidente na nova era foi Askar Akayev, deposto por uma revolta popular em 2005. Ele foi sucedido por Kurmbanbek Bakiyev, derrubado de forma semelhante em 2010.

(Com Reuters)