'Terremoto liberou mais energia que a bomba atômica de Hiroshima', diz sismólogo

Sismólogo Aderson Nascimento explica fenômeno que atingiu Turquia e Grécia

30 de outubro de 2020 às 14:08

 

Em entrevista à CNN, Aderson Nascimento, sismólogo da Rede Sismográfica Brasileira e coordenador do Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), afirmou que a energia liberada pelo terremoto que atingiu a Turquia e Grécia equivale a "algumas explosões atômicas". 

"Toda a área [que iniciou o choque entre as placas tectônicas] foi rompida e a energia que estava nestas rochas elas são imediatamente liberadas. Portanto, a liberação de algumas energias como estas é equivalente a algumas explosões atômicas. Obviamente, esta energia toda, parte dela não chegou a alcançar a superfície. Mas é muito grande e que provoca vibrações mesmo em locais distantes."

E continuou: "A energia liberada por este terremoto [de magnitude 7], é maior do que a energia liberada pela bomba atômica de Hiroshima, que chegou à magnitude 6. No entanto, os estragos de uma bomba nuclear são mais localizados e o design é feito para maximizar os estragos. Existe uma intencionalidade de destruição."

Leia também:
Veja imagens do terremoto na Turquia e Grécia
Situação catastrófica, diz geólogo sobre terremoto que atingiu Turquia e Grécia

Tsunami causado por terremoto no Mar Egeu, perto da Turquia
Foto: Reprodução/CNN Brasil (30.out.2020)

Aderson também avaliou o cenário após os tremores nas cidades atingidas. Segundo ele, este episódio causa uma "desorientação muito grande" nas pessoas que passam por evento desta magnitude. 

"Essas pessoas que estão desabrigadas devem ser assistidas. E neste momento é importante de ter uma Defesa Civil atuante. Certamente o número destas pessoas deve aumentar nas próximas horas e certamente elas devem necessitar de auxílio. Um terremoto desta magnitude causa uma desorientação muito grande nas pessoas.", finaliza.

(Edição: André Rigue)