Exército dos EUA intercepta míssil balístico intercontinental em simulação

Experiência bem-sucedida em abater míssil balístico a partir de navio de guerra aumenta capacidade de defesa americana a ameaças de países como Coreia do Norte

Por Ryan Browne, da CNN
18 de novembro de 2020 às 02:49 | Atualizado 18 de novembro de 2020 às 04:23
Exército americano interceptou ICBM em teste
Foto: US Department of Defense/ Reprodução


 

Um míssil disparado de um navio de guerra da Marinha dos EUA interceptou com sucesso um míssil balístico intercontinental (ICBM) lançado durante uma simulação do sistema de defesa antimísseis americano.

É a primeira vez que um lançamento a partir de um navio de guerra consegue abater um ICBM. A experiência bem-sucedida no teste mostra um aumento da capacidade do país de se proteger contra ameaças de mísseis provenientes de outros países, em especial a Coreia do Norte.

Uma animação no site da Agência de Defesa Antimísseis do Departamento de Defesa dos EUA mostra como foi o teste.

Leia também:
Exército da China é desafio de política externa para próximo presidente dos EUA

Estados Unidos anunciam retirada de parte de militares no Iraque e Afeganistão

Militares e marinheiros dos EUA a bordo do USS John Finn "interceptaram e destruíram um alvo de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM) representativos da ameaça", usando o interceptor Standard Missile-3 (SM-3) Bloco IIA do navio de guerra "durante uma demonstração de teste de voo no ampla área oceânica a nordeste do Havaí , disse a Agência de Defesa de Mísseis em comunicado.

O ICBM de teste foi disparado do local de teste das forças armadas dos Estados Unidos em Kwajalein Atoll, nas Ilhas Marshall, antes de ser interceptado a nordeste do Havaí.

Testes anteriores do sistema de defesa contra mísseis envolveram interceptores terrestres no Alasca e na Califórnia, derrubando ICBMs de teste.

Autoridades dizem que ter a capacidade de um navio de guerra de também abater uma ameaça de míssil aumenta a capacidade geral do sistema de defesa antimísseis.

"O Departamento está investigando a possibilidade de aumentar o sistema de Defesa de Midcourse baseado em Terra, colocando sensores e sistemas de armas adicionais para se proteger contra desenvolvimentos inesperados na ameaça de mísseis", disse o Diretor da Agência de Defesa de Mísseis, Vice-Almirante Jon Hill, em um declaração.

"Demonstramos que uma embarcação equipada com Aegis BMD equipada com o míssil SM-3 Block IIA pode derrotar um alvo da classe ICBM, o que é uma etapa do processo de determinação de sua viabilidade como parte de uma arquitetura para defesa em camadas da pátria", ele adicionou.