Na Argentina, Câmara aprova taxar fortunas para financiar auxílio a famílias

A expectativa é a de que o Senado decida sobre a legislação antes do fim deste mês

Reuters
18 de novembro de 2020 às 13:28 | Atualizado 19 de novembro de 2020 às 12:12


A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou nesta quarta-feira (18) um projeto que busca arrecadar cerca de US$ 3,75 bilhões por meio de um imposto sobre grandes fortunas. O objetivo é financiar programas voltados a ajudar famílias prejudicadas pela crise causada pela pandemia de Covid-19.

A expectativa é a de que o Senado decida sobre a legislação antes do fim deste mês. A votação na Câmara terminou com 133 votos a favor, 115 contra e 2 abstenções.

Assista e leia também:
Rússia diz que Argentina vai comprar 25 milhões de doses de potencial vacina
Argentina: a quarentena mais longa do mundo e seus 1,1 milhão de infectados
Com sistema de saúde pressionado, Argentina atinge 1 milhão de casos de Covid-19

Câmara dos Deputados da Argentina em reunião virtual
Foto: Divulgação/Twitter.com/DiputadosAR

Se aprovado, as pessoas com patrimônio acima de US$ 2,5 milhões – aproximadamente 12 mil – serão atingidas pelo imposto fixo de 2%. A cobrança vai aumentar progressivamente à medida que o patrimônio aumenta, de acordo com a proposta.

O presidente argentino, Alberto Fernández, assumiu o cargo em dezembro, em meio a uma recessão econômica que foi agravada pela pandemia do novo coronavírus. 

Ele aumentou os gastos públicos para proteger as famílias mais prejudicadas nos últimos meses. Mais de 36,1 mil argentinos morreram por causa da doença até agora, de acordo com dados oficiais.

O dinheiro arrecadado com o aumento do imposto deve ser usado para comprar equipamentos de saúde, financiar subsídios de assistência social e empréstimos para pequenas e médias empresas, visando reduzir o desemprego no país.