Premiê da Dinamarca chora após visitar fazenda de visons abatidos

Mette Frederiksen se emocionou ao falar à imprensa sobre visita a propriedade perto de Kolding, em região oeste do país, onde fazendeiros criavam os animais

Reuters
26 de novembro de 2020 às 15:32 | Atualizado 27 de novembro de 2020 às 15:14

 
 

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, chorou nesta quinta-feira (26) após visitar um fazendeiro que criava visons e perdeu seu rebanho após a ordem do governo neste mês de abater todos os 17 milhões de animais do país para conter a disseminação de uma mutação do novo coronavírus.

Frederiksen enfrentou pedidos da oposição para renunciar e um voto de desconfiança no Parlamento após a ordem do governo no início de novembro, mais tarde considerada ilegal, de abater toda a população de visons do país.

A primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, chorou após visitar um fazendeiro que criava visons (26.nov.2020)
Foto: Reprodução de vídeo


A ordem foi dada depois que as autoridades detectaram surtos de Covid-19 em centenas de fazendas de visons, incluindo uma nova cepa do vírus, suspeita de ser capaz de comprometer a eficácia das vacinas.

"Temos duas gerações de fazendeiros de vison realmente qualificados, pai e filho, que em muito, muito pouco tempo tiveram o trabalho de suas vidas destruído", disse Frederiksen a repórteres após uma reunião com um fazendeiro e seu filho na propriedade perto de Kolding, em região oeste da Dinamarca.

Assista e leia também:
Mutação de Covid-19 em visons é extinta na Dinamarca
Dinamarca desiste de abater visons saudáveis para conter Covid-19
OMS estuda biossegurança de criações de visons
Mutação de coronavírus pode afetar vacinas? Entenda a crise dos visons

"Foi emocionante para eles e... Desculpe. Foi para mim também", disse Frederiksen com a voz embargada, parando para respirar entre as palavras.

Carcaças de visons em Farre, na Dinamarca; país sacrificará até 17 milhões de animais para evitar contaminação por coronavírus
Foto: Ritzau Scanpix - 21.out.2020/Mette Moerk via Reuters


 

A ordem para abater toda a população de visons da Dinamarca, uma das maiores do mundo e altamente valorizada pela qualidade de sua pele, deixou o governo em situação frágil depois de admitir que não tinha base legal para ordenar o abate de animais saudáveis.

Depois de algumas semanas tumultuadas desde que a ordem foi dada em 4 de novembro, o ministro da Agricultura, Mogens Jensen, deixou o cargo na semana passada após uma investigação interna revelar um processo político falho.

A Dinamarca propôs a proibição de toda a criação de visons no país até 2022. Tage Pedersen, chefe da associação dinamarquesa de criadores de visons, disse este mês que a indústria, que emprega cerca de 6.000 pessoas e exporta peles no valor de US$ 800 milhões anuais, está condenada.

A oposição na Dinamarca afirma que o abate de visons saudáveis não deveria ter sido iniciado antes que os planos de compensação estivessem em vigor para os proprietários e trabalhadores em cerca de 1.100 fazendas do país.