Trump: ‘Não deixem que Biden leve o crédito pelas vacinas, porque isso fui eu’

Atual presidente afirmou que ‘pressionou a população mais do que nunca’ e que o democrata ‘falhou com a gripe suína’

Da CNN
27 de novembro de 2020 às 07:40 | Atualizado 27 de novembro de 2020 às 07:42
O atual presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca
Foto: Hannah McKay - 24.nov.2020 / Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, fez uma breve referência à pandemia do novo coronavírus a um grupo de jornalistas nessa quinta-feira (26) na Casa Branca. Ele afirmou que o presidente eleito, o democrata Joe Biden, não deve receber crédito pelo desenvolvimento e distribuição de vacinas “porque isso das vacinas fui eu”.

Assista e leia também:
Trump diz que deixará cargo se Colégio Eleitoral declarar Biden vencedor
O que se sabe dos testes da vacina de Oxford e por que peritos questionam dados
Cientista russo prevê que os próximos 10 anos serão piores do que 2020

Joe Biden falhou com a gripe suína, H1N1, falhou totalmente com a gripe suína. Não deixem que ele leve o crédito pelas vacinas, porque isso das vacinas fui eu, e pressionei a população mais do que nunca”, afirmou Trump.

“E a aprovamos. E ninguém nunca viu algo assim. Houve uma grande resistência na FDA [Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA] por anos e anos de pessoas trabalhando ali, durante anos e anos, em diferentes gestões”, continuou ele. “Mas a vacina é… Há quem diga que é uma das maiores coisas, é um milagre da medicina. Não deixem ninguém tentar levar o crédito.”

Também na quinta, o republicano afirmou que a distribuição de vacinas contra a Covid-19 no país começará entre a próxima semana e a seguinte. "As vacinas estão sendo entregues. Vai começar literalmente na próxima semana e na semana seguinte.” 

Ele disse que a vacina será enviada inicialmente para funcionários da linha de frente, pessoal médico e idosos. Trump não especificou a qual imunizante se referia, mas lembrou que "duas companhias já fizeram o anúncio, a terceira está para fazer e a quarta e a quinta farão em breve".

(Com informações de Betsy Klein, da CNN, em Atlanta)