Tribunal federal rejeita ação de Trump para contestar resultado da Pensilvânia

Um tribunal federal de apelações frustrou outro esforço da campanha de Trump para contestar o resultado eleitoral, rejeitando ação sobre votos na Pensilvânia

Por Kara Scannell, CNN
28 de novembro de 2020 às 00:31 | Atualizado 28 de novembro de 2020 às 00:33
Donald Trump, presidente dos Estados Unidos
Foto: REUTERS


Nesta sexta-feira (27), um tribunal federal de apelações frustrou outro esforço da campanha de Donald Trump para mudar o resultado da eleição presidencial, emitindo uma decisão contundente de que o processo da campanha carecia de provas e suas alegações na Pensilvânia "não têm mérito".

O painel de três juízes do 3º Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA negou o pedido da campanha republicana para refazer o processo, dizendo que suas alegações já haviam sido rejeitadas por vários juízes estaduais na Pensilvânia e que a última tentativa de restaurá-las não poderia ter prosseguimento.

Leia também:
Trump diz que deixará cargo se Colégio Eleitoral declarar Biden vencedor

Eleições nos EUA: Veja como foi o fim do bloqueio de transição Trump-Biden

"As acusações de injustiça são sérias. Mas chamar uma eleição injusta não significa que isso aconteça. As acusações exigem alegações específicas e, em seguida, provas. Não temos nenhuma aqui", escreveu o juiz Stephanos Bibas, nomeado por Trump.

“A Campanha nunca alega que qualquer voto foi fraudulento ou feito por um eleitor ilegal”, escreveu Bibas.

"(Também) nunca alega que qualquer réu tratou a campanha de Trump ou seus votos pior do que tratou a campanha de Biden ou seus votos. Chamar algo de discriminação não significa que seja assim", acrescentou o juiz.

Liderando a equipe do presidente está o advogado e ex-prefeito de Nova York Rudolph Giuliani, que entrou no caso federal na semana passada.

O processo foi rejeitado no sábado passado, quando um juiz de primeira instância o chamou de "o monstro de Frankenstein" por suas teorias jurídicas mal costuradas.

O presidente e alguns de seus aliados têm questionado a legitimidade da eleição, dizendo sem evidências que ela foi fraudulenta e buscando usar batalhas judiciais para anular resultados em estados-chave. Mais recentemente, um punhado de republicanos da Pensilvânia, ao lado de Giuliani, realizaram uma "audiência" em Gettysburg na quarta-feira sobre suas alegações infundadas de fraude eleitoral.