Biden escolhe professor de origem latina como seu secretário de Educação

Miguel Cardona, cujos pais imigraram de Porto Rico, é o atual comissário de educação de Connecticut e foi chamado de 'brilhante' pelo democrata

Kate Sullivan, da CNN
23 de dezembro de 2020 às 16:36 | Atualizado 23 de dezembro de 2020 às 16:37
Biden (ao fundo) observa Miguel Cardona após anunciá-lo como o próximo secretário de Educação dos EUA
Foto: Reuters

O presidente eleito dos Estados Uidos, Joe Biden, apresentou nesta quarta-feira (23) Miguel Cardona como seu indicado para secretário de Educação.

O democrata chamou o atual comissário de educação de Connecticut de "brilhante" e disse que ele desempenhará um papel fundamental nos esforços de seu governo para reabrir escolas fechadas em meio à pandemia do novo coronavírus

Cardona, cujos pais se mudaram de Porto Rico para Connecticut, pode ser outro latino de destaque no gabinete se for confirmado pelo Senado norte-americano. 

Biden disse que Cardona "entende que as raízes profundas da desigualdade que existem como fonte das lacunas de oportunidades persistentes. Ele entende o poder transformador que vem do investimento em educação".

Cardona disse que como comissário de educação, pai de alunos de escola pública e ex-professor entende o quão desafiador 2020 foi para os alunos, os professores e os pais.

“[A pandemia] mostrou algumas de nossas disparidades mais dolorosas e antigas e as aprofundou ainda mais", disse Cardona, falando publicamente pela primeira vez como indicado de Biden. 

Assista e leia também:
O que você precisa saber sobre os indicados de Biden para o governo americano
Joe Biden nomeia primeiro general negro para o cargo de secretário de Defesa
Biden anuncia equipe de comunicação formada apenas por mulheres

Ele disse que para muitos alunos, o endereço e a cor de pele continuam sendo os melhores indicadores das oportunidades que terão na vida.

Ele acrescentou: "Embora estejamos começando a ver a luz no fim do túnel, também sabemos que esta crise continua, que teremos seus impactos nos próximos anos e que os problemas e desigualdades que afetavam nosso sistema educacional desde muito antes da Covid-19 ainda estarão conosco mesmo depois que o vírus se for".

Biden reiterou nesta quarta-feira que reabrir escolas com segurança seria uma prioridade nacional para sua administração e falou sobre os desafios que alunos, educadores e administradores enfrentaram em meio à pandemia do coronavírus.

"Eles se preocupam. Eles estão sob estresse. Eles fazem uso de todo o orçamento local, o que deixou educadores desempregados", disse o presidente eleito.

Ele também criticou "sinais contraditórios da Casa Branca" quanto ao auxílio de estímulo, um dia depois de Trump anunciar inesperadamente que estava pedindo mudanças no pacote de alívio de US$ 900 bilhões contra a crise causada pela Covid-19, deixando o futuro da proposta em dúvida.

Assista e leia também:
Joe Biden nomeia Ron Klain como chefe de gabinete
Análise: Gabinete de Biden sugere previsibilidade e diversidade
Joe Biden, presidente eleito dos Estados Unidos, recebe vacina contra a Covid-19

Biden prometeu pressionar o Congresso a fornecer alívio econômico adicional aos americanos, incluindo financiamento para "manter os educadores trabalhando".

A CNN foi a primeira a informar que Cardona seria indicado para o cargo.

Cardona foi nomeado comissário de educação de Connecticut pelo governador democrata Ned Lamont em agosto de 2019. 

Ele assumiu o cargo com duas décadas de experiência como educador de uma escola pública da cidade de Meriden, de acordo com o site do governo do estado, após iniciar sua carreira como professor de ensino fundamental, tendo depois trabalhado por 10 anos como diretor de escola. Em 2013, Cardona tornou-se superintendente adjunto de ensino e aprendizagem.

O Caucus Hispânico no Congresso sugeriu que Biden o escolhesse. Durante todo o processo de seleção de seu Gabinete, o democrata enfrenta pressão para cumprir sua promessa de indicar pessoas que refletissem a diversidade dos EUA.

Biden ainda tem cinco cargos em nível de gabinete para nomear, incluindo o de procurador-geral – que acumula o cargo de Secretário de Justiça. Essa decisão não deve ser anunciada antes do Natal, disse uma pessoa familiarizada com o assunto à CNN, enquanto o presidente eleito continua deliberando sobre um dos cargos de maior destaque em seu próximo governo.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)