Boston remove estátua de ex-escravo ajoelhado diante do presidente Lincoln

A obra será transferida para um novo local acessível ao público, onde sua história e contexto possam ser melhor explicados

Christina Zdanowicz e Sahar Akbarzai, da CNN
30 de dezembro de 2020 às 11:51 | Atualizado 30 de dezembro de 2020 às 20:04


 

Em Boston, uma estátua representando um homem ex-escravizado ajoelhado sob o presidente Abraham Lincoln foi removida na manhã desta terça-feira (29), de acordo com o gabinete do prefeito. 
 A estátua do "Grupo de Emancipação" estava na região da Park Square desde 1879.

A Comissão de Arte de Boston (Boston Art Commission) votou para removê-la em junho deste ano, após duas audiências públicas e centenas de cartas e pesquisas. 

"Estamos satisfeitos por retirá-la nesta manhã", disse uma porta-voz do prefeito Marty Walsh em um comunicado à CNN. 

A estátua do "Grupo de Emancipação" foi removida após ficar em exibição por mais de 140 anos, em Boston

Foto: WBZ / Reprodução

"Conforme expresso por muitos durante o processo público deste ano, concordamos plenamente que a estátua deve ser transferida para um novo local acessível ao público, onde sua história e contexto possam ser melhor explicados", afirmou a porta-voz. 

Leia também:
Reino Unido aprova vacina de Oxford, que será aplicada com intervalo de 3 meses
Ibovespa supera 120 mil pontos pela primeira vez e tenta bater recorde histórico
Jornalista que mostrou crise da Covid-19 em Wuhan é condenada a 4 anos de prisão


"A decisão de remoção reconhece o papel da estátua em perpetuar preconceitos prejudiciais e em obscurecer o papel dos negros americanos na formação da luta da nação pela liberdade”, concluiu. 

O escritório do prefeito também informou que a estátua foi transferida para um depósito até que um novo local seja selecionado.

A remoção ocorreu após meses de um movimento nacional nos Estados Unidos para que símbolos da Confederação, e outras estátuas consideradas racistas pelos padrões atuais, fossem removidas. 

A obra que estava localizada na Park Square é uma réplica de uma estátua localizada Washington DC, e tem sido controversa desde sua instalação, em 1876, pela maneira como retrata o escravo libertado. 

Ele mostra o presidente Lincoln em um terno, de pé, sobre um ex-escravo parcialmente vestido se levantando de algemas quebradas, de acordo com o site Boston Arts and Culture. A estátua foi instalada em 1879, após ter sido doada pelo político e fundador do Museu de Boston Moses Kimball.

A estátua foi baseada em uma fotografia de Archer Alexander, um ex-escravo que "ajudou o Exército da União antes de buscar a liberdade para si e sua família", segundo o site da cidade. Alexandre foi recapturado várias vezes sob a Lei de Escravo Fugitivo. 

A estátua de bronze foi concebida para celebrar a emancipação dos escravos, mas alguns a percebem como uma submissão a Lincoln ou uma demonstração de domínio branco, de acordo com a Biblioteca de Harvard. 

Leia também:
Após meses de isolamento, casal sai para cortar cabelo e morre de Covid-19
WhatsApp vai parar de funcionar em aparelhos antigos a partir de 2021
Bloqueios para veículos fretados e proibição de fogos começam a valer no RJ

Embora sempre tenham sido comum críticas à estátua, foi uma petição local iniciada em junho de 2020 que renovou o interesse em sua remoção. 

Foi o ator e ativista da região de Boston, Tory Bullock, quem deu início à petição, de acordo com o site da cidade. Mais de 12.000 assinaturas a favor da remoção foram coletadas. 

 "É um funeral incrível, estou aqui para fazer um elogio silencioso a esta obra de arte que está aqui há 141 anos", disse Bullock à afiliada da CNN WBZ quando a estátua foi removida. 

"Estou orgulhoso, sou negro e sou jovem", completou o ator. "Esta imagem tem prestado um péssimo serviço aos afro-americanos de Boston e agora isso vai parar." 

Neste inverno, uma série de painéis de discussão virtuais e instalações de arte de curto prazo vão olhar para "examinar e reimaginar símbolos culturais, arte pública e histórias", disse a porta-voz do prefeito. 

 A Boston Art Commission está buscando sugestões de locais para onde posicionar a estátua. As pessoas podem enviar sugestões ou feedback neste link (em inglês)

Taylor Romine, da CNN, contribuiu para esta reportagem

(Texto traduzido, clique aqui para ler o original em inglês)